Governo quer aprovação rápida e decreta sigilo sobre estudos da reforma da Previdência

O governo Bolsonaro proíbe o povo de ter acesso a argumentos, estatísticas, dados econômicos e sociais que norteiam o texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 06/2019, que propõe a reforma da Previdência para privatizar o direito social.

“Ele quer a aprovação rápida da reforma da Previdência, por isso ele não quer que o povo saiba do que irá fazer com o futuro dos brasileiros. Essa proibição mostra com clareza que esta reforma é uma roubada para a população brasileira, que será muito ruim para o Brasil e seu povo. Nada rápido e secreto, que tenha grande impacto social, pode ser bom”, afirma Cláudio Antunes, coordenador de Imprensa do Sinpro-DF.

A medida é do Ministério da Economia e permite apenas a servidores autorizados o acesso a tudo isso. Os estudos e os relatórios técnicos que ancoram a proposta da reforma da Previdência estão, portanto, sob sigilo. Ninguém mais terá o acesso a conteúdos como argumentos, estatísticas, dados econômicos e sociais que norteiam o texto. A matéria pode ser votada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara nesta terça-feira (23/4/19).

O sigilo das informações foi denunciado pelo jornal Folha de S. Paulo após ter um pedido de informações baseado na Lei de Acesso à Informação negado pela Pasta comandada por Paulo Guedes. A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho avisou que os dados foram elaborados “no âmbito de suas competências regimentais” para manifestações técnicas sobre a proposta em tramitação e que o acesso a eles poderão causar problemas no mercado financeiro.

“É claro que o mercado financeiro sabe de todo o teor da reforma. Quem não sabe é o trabalhador que paga essa conta e que tem esse direito social assegurado na Constituição. O mercado financeiro é o próprio mentor da reforma da Previdência. Essa reforma é justamente para entregar esse serviço público às empresas privadas de fundo de pensão e de previdência privada, todas ligadas aos bancos. Portanto, o sigilo impedirá somente o cidadão comum, afetado diretamente pelas mudanças em pensões e aposentadorias, de ter acesso a argumentos, estatísticas, dados econômicos e sociais que sustentam o texto em tramitação”, alerta Antunes.

Somente servidores autorizados e autoridades públicas do alto escalão podem acessar o conteúdo. “Contudo, registra-se que todos os expedientes foram classificados com nível de acesso restrito por se tratarem de documentos preparatórios”, explica a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho. A resistência do governo em apresentar levantamentos relativos à reforma desagrada os(as) congressistas.

O governo argumenta que a medida restritiva segue o entendimento da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional a respeito do assunto. O decreto que regulamenta a Lei de Acesso chama de “preparatórios” os documentos formais usados como fundamento de “tomada de decisão ou de ato administrativo, a exemplo de pareceres e notas técnicas”.

Nesta terça-feira (23), a CCJ da Câmara deve votar o parecer da admissibilidade da proposta. O relator da matéria, Marcelo Freitas (PSL-MG), é favorável ao texto. A atitude do governo Bolsonaro de impedir o acesso às informações está embasada no Decreto nº 9.690/2019, assinado, em janeiro, pelo vice-presidente que, na época assumia o posto de Presidente da República, Hamilton Mourão. Ele decretou o fim da Lei de Acesso à Informação.

Na época, o decreto foi considerado um ataque frontal à Lei de Acesso à Informação e à transparência governamental, sancionada em 2012 para garantir a transparência de todos os órgãos públicos e fortalecer a democracia no país. O decreto de Mourão, por sua vez, torna obscura as transações de governos de plantão.

O decreto publicado no Diário Oficial em janeiro dá plenos poderes a servidores comissionados, dirigentes de fundações, autarquias e empresas públicas para impor sigilo secreto e ultrassecreto a dados públicos.

O decreto de Mourão permite a assessores classificar documentos como ultrassecretos e com sigilo de 25 anos. Anteriormente, a decisão cabia apenas ao Presidente da República, ao vice, aos ministros de Estado, aos comandantes das Forças Armadas e aos chefes de missões diplomáticas.

Com informações da Folha de S. Paulo, Metrópoles e O Estado de S. Paulo.

 

 

Confira as séries de matérias sobre reforma da Previdência produzidas pelo Sinpro-DF

Matérias sobre reforma da Previdência 2019:

Todos perdem com a reforma da Previdência de Bolsonaro

Governo e mídia usam fake news e terrorismo para convencer e intimidar população a aceitar reforma da Previdência

Proposta de Bolsonaro para Previdência não corrige distorções e deprecia baixos salários

PEC da Previdência de Bolsonaro atende ao mercado financeiro e acaba com aposentadoria do trabalhador

Minuta da PEC da reforma da Previdência de Bolsonaro impede professor de se aposentar

Matérias sobre reforma da Previdência 2018:

Editorial | A política contra os trabalhadores

Brasil poderá ter previdência privada por capitalização

Governo federal gasta milhões com publicidade para aprovar reforma da previdência

Temer anuncia reforma da Previdência para outubro de 2018, mas isso depende do seu voto

Pressão popular obriga governo a recuar mais uma vez e a não votar reforma da Previdência. Mídia entra em cena para convencer a população

O impacto da PEC 287-A na vida dos orientadores educacionais

Confira aqui outras matérias sobre a reforma da Previdência 2017:

Folha do Professor Especial explica como será a aposentadoria do magistério público após reforma

Por que os professores têm aposentadoria especial?

Impactos da reforma da Previdência na educação básica

CPI da Previdência: Brasil tem um dos menores gastos com Previdência do mundo

Reforma da Previdência aprofundará doenças ocupacionais do magistério

Ministro da Fazenda vai a evento do Itaú, em Londres, anunciar reforma da Previdência em novembro

O impacto da PEC 287-A na vida dos orientadores educacionais

Governo gasta milhões para dar presente de grego a brasileiros: a reforma da Previdência

Após governo anunciar votação para 18/12, Sinpro lança nova campanha contra a reforma da Previdência

Governo federal gasta milhões com publicidade para aprovar reforma da Previdência

Em 2016, Sinpro-DF produziu primeira série de reportagens sobre a reforma da Previdência
Entre maio e novembro de 2016, o Sinpro-DF apresentou à categoria a primeira série de reportagens sobre a primeira versão do texto da reforma da Previdência, a PEC 287, esmiuçando os cálculos propostos pelo governo ilegítimo, explicando os prejuízos nefastos que iria causar na população e na categoria docente, desmascarando os interesses do empresariado e do sistema financeiro, contando a história e os motivos da criação, no Brasil, de um Sistema de Seguridade Social independente e sem nenhum tipo de rombo.

Confira aqui algumas das matérias da primeira série, todas as demais matérias que, embora o texto que irá ao Plenário seja o substitutivo, intitulado de PEC 287-A, os efeitos são os mesmo da PEC 287.

Reforma da Previdência e PEC 241/16 são imposições do FMI

Estudos demonstram que há superávit na Previdência e reforma é para retirar direitos

Reforma da Previdência do presidente não eleito põe fim à paridade no funcionalismo

Governo manipula e chama as renúncias de rombo na Previdência

Outras matérias sobre reforma da Previdência de outros veículos:

Previdência: por que é possível resistir

Confira aqui depoimentos das vítimas do golpe da previdência dado nos países de terceiro mundo pelo sistema financeiro. O vídeo está em espanhol, mas tem legenda em português:

Crisis de las pensiones en Chile – El negocio de las AFP

Skip to content