Por administrador em 20/out/2014

Investimentos em educação ainda são precários



isabel okA história da categoria é marcada por uma trajetória de lutas e de muitas conquistas. Quem reflete sobre a questão é a professora de artes cênicas do Centro de Ensino Fundamental 04 de Planaltina, Isabel Cavalcante. Segundo ela, os educadores nunca receberam nada de graça e as conquistas sempre foram alcançadas com muita disposição e batalha. “Entrei na Secretaria de Educação em 1989 e sempre participei ativamente dos movimentos de greve. Desde o início da minha carreira cheguei a sofrer algumas perseguições, mas vi muitos avanços e retrocessos”, relata Isabel Cavalcante.

Entre os avanços a professora ressalta o acesso à educação, que hoje é maior; as escolas têm autonomia para usar os recursos e a educação inclusiva. Apesar disto, o investimento e a valorização do profissional da educação, principalmente na questão financeira, são precários. “Algumas mudanças vêm afetando a qualidade do ensino, e tornando cada vez mais fáceis as condições de aprendizagem para o aluno, não lhe propondo o desafio de aprender. O aluno não tem sido preparado para aprender realmente e enfrentar desafios. O seu nível de aprendizagem está cada vez mais baixo e a sua chance no mercado da concorrência é cada vez menor”, ressalta.

A professora de artes cênicas diz ainda que não vê uma categoria forte e corajosa como antes. Segundo ela, as pessoas parecem ter desacreditado da sua força e da força do próprio Sindicato. “Estamos com o salário defasado, não temos um plano de saúde digno e tivemos há pouco tempo talvez uma das maiores perdas, que foi o fim da nossa aposentadoria especial por tempo de serviço. Sabemos que a nossa profissão é extremamente desgastante, lidamos de frente com todas as dificuldades sociais e familiares, e isso nos afeta profundamente. A aposentadoria especial e o plano de saúde são necessidades de uma categoria que, infelizmente, está adoecendo”.

Para o futuro, Isabel Cavalcante espera que os governantes acreditem na Educação como um caminho para um futuro melhor para a sociedade e para o país, não se esquecendo de que o professor é peça chave nesse processo. “É possível construir uma escola atraente, desafiadora para o aluno e para o professor, onde o aluno se sinta realmente desafiado a aprender, conquistar, ir adiante. Uma escola onde os projetos pedagógicos possam ser valorizados com espaço adequado, recursos e material humano. Uma escola com professores bem remunerados e valorizados”, finaliza.

Professora: Isabel Cavalcante
Centro de Ensino Fundamental 04 de Planaltina

 

Veja mais:

Artigo do professor  Jorge Oliveira

Artigo do professor  Carlos Roberto Morais dos Santos, Betto Tutu

Artigo do professor  Simone Divina Melo de Souza Cabral

Artigo do professor  Carlos da Costa Neves Filho

Artigo da professora  Daliana Antônio

Artigo do professor  João Sérgio Macedo Salgado

Artigo da professora Ilka Dias Castelo Branco 

Artigo do professor Jefferson Amauri Leite de Oliveira

Artigo do professor Luís Guilherme Moreira Baptista

Artigo do professor Felipe Sinicio de Barros

Artigo da professora Maria da Glória Bonfin Yung

Imprimir