Por administrador em 30/set/2014

A valorização da educação passa pelo(a) professor(a)



Jefferson Amauri - Dia 4Os últimos dez anos foram de lutas, mas também de conquistas para os professores e professoras da rede pública de ensino do Distrito Federal. Apesar dos avanços, ainda é preciso lutar por mais conquistas. Quem afirma é o professor Jefferson Amauri Leite de Oliveira, da Escola Classe 15 de Planaltina. Segundo o educador, a categoria teve melhorias salariais, reconhecimento por boa parte da população e um avanço na formação continuada. Em muitas delas, lembra Jefferson, foram conquistadas graças às negociações realizadas em 2013 “sem a necessidade de levar a categoria à greve, fato que prejudicaria a população”. Apesar disto, pontos importantes como o plano de saúde ainda aguardam por uma solução.

“A luta não pode acabar. Precisamos de mais recursos nas escolas, de um espaço maior para desenvolver o trabalho em sala de aula, mais vagas para mestrado e doutorado e de um plano de saúde”, diz o professor, salientando que nem sempre a valorização da carreira está ligada ao salário dos educadores, mas também ao investimento e aos recursos que são investidos na educação pública do Distrito Federal.

Para o futuro, Jefferson de Oliveira afirma que a grande mudança deverá ser estrutural. A modernização de prédios escolares, o aumento na descentralização de recursos para as escolas e a redução de alunos por sala de aula são medidas que necessariamente precisam estar na pauta de negociação com o governo. Para estas e outras mudanças, o professor concorda que os recursos do Plano Nacional de Educação (PNE) e do pré-sal terão papel fundamental na melhoria da educação do país. “Acredito que se estes recursos forem bem geridos, com certeza farão a diferença para uma escola pública de qualidade não somente do Distrito Federal, mas também em todo o país”, finaliza.

 

Professor: Jefferson Amauri Leite de Oliveira
Escola Classe 15 de Planaltina

 

Veja mais:

Artigo do professor Luís Guilherme Moreira Baptista

Artigo do professor Felipe Sinicio de Barros

Artigo da professora Maria da Glória Bonfin Yung 

Imprimir