Por administrador em 28/set/2014

É possível ocorrerem mais mudanças na educação brasileira



Ilka - Dia 5Mal ingressou no magistério, Ilka Dias Castelo Branco, professora de Atividades do 5º ano do Centro de Ensino Fundamental 05 do Guará, viu o sonho de ser professora arrefecer-se pelas dificuldades que enfrenta diariamente no desempenho do seu ofício. A falta de um bom salário e de respeito dos alunos é um dos fatores que podem determinar se ela vai continuar com esse projeto ou partir para outros desafios profissionais.

A professora ingressou recentemente na Secretaria de Educação no meio de turbulências: “O grupo de colegas que entrou comigo na SEEDF só conseguiu ser efetivado depois de muita luta. Fiz parte de um grupo de professores(as) convocado e desconvocado em 2011 e somente após pouco mais de um ano fomos convocados e realmente efetivados”, lembra.

Apesar dos problemas, ela considera a solenidade do Dia do Professor sinônimo da comemoração de sua entrada nos serviços públicos e da conquista da estabilidade. Sem observar grandes mudanças na carreira nesses três últimos anos, Ilka diz que ingressou há pouco tempo e que, somente em junho de 2015, vai completar três anos de magistério público.

“Se considerar como referencial de data o meu ingresso no serviço público para analisar a trajetória da docência no DF, não visualizo grandes transformações nesse período, apenas pequenas mudanças, como, por exemplo, um aumento reduzido, que vem sendo acrescentado gradativamente e uma gratificação incorporada. Contudo, ao ouvir o relato dos colegas mais antigos, reconheço que muitas coisas mudaram para melhor”, afirma.

Embora atribua as vitórias da categoria à luta dos(as) colegas mais antigos, ela se identifica e se sente totalmente integrada a essa luta. “Com relação à carreira, acredito ter entrado num momento mais tranquilo e sei que muitos colegas já enfrentaram grandes lutas”, diz.

Para Ilka, por mais que a categoria tenha conseguido avanços, há muito ainda o que buscar no sentido de conquistar melhorias. “O salário de professor ainda não é o ideal, penso que seria justo a equiparação salarial. Ganharmos como muitas outras carreiras. Gostaria muito de ver a nossa profissão ser tão desejada e valorizada como tantas outras, mais crianças sonhando com nossa profissão. E penso que com um salário melhor, uma sala de aula confortável, com temperatura adequada, com qualidade sonora e equipamentos tecnológicos seriamos mais bem sucedidos e respeitados”.

A professora vê também a falta de autonomia como um dos principais aspectos que desfalcam a valorização e põe em xeque a permanência na carreira. “Toda a sociedade quer interferir no trabalho do professor(a). Acho que isso, às vezes, banaliza um pouco e desvaloriza nosso trabalho. Seria interessante se instituir a todos os professoras o acompanhamento com fonoaudiólogos e psicólogos, uma vez que ocorrem fatores que desgastam muito o profissional”.

“Sinto falta do respeito que tantos antigos relatam e que também é relatado em outros países de o professor falar e os alunos calarem, obedecerem, valorizar com todo aquele amor e consideração que vivíamos em tempos atrás”, afirma. A professora acredita que, com o Plano Nacional da Educação (PNE) e o Plano Distrital de Educação (PDE), este último ainda em tramitação, há possibilidades de o dinheiro público chegar, finalmente, na área da educação. “O pré-sal e os 10% do PIB podem fazer a diferença na educação se realmente o discurso da presidenta Dilma não for apenas palavras jogadas ao vento. Acredito que é possível sim ocorrerem mais mudanças na educação brasileira”, diz.

 

Professora: Ilka Dias Castelo Branco
Centro de Ensino Fundamental 05 do Guará

Veja mais:

Artigo do professor Jefferson Amauri Leite de Oliveira

Artigo do professor Luís Guilherme Moreira Baptista

Artigo do professor Felipe Sinicio de Barros

Artigo da professora Maria da Glória Bonfin Yung 

Imprimir