Por André Barreto em 07/fev/2017

PR: APP sinaliza para adesão a greve nacional



O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato) sinalizou, nesta segunda-feira, para uma possível adesão a uma greve nacional da categoria proposta pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Uma assembleia estadual está agendada para o próximo sábado, em Maringá.

A mobilização foi aprovada durante o 33º Congresso da CNTE realizado no mês passado. A previsão é de que a greve comece no dia 15 de março.

Os eixos centrais do movimento dizem respeito à oposição à proposta de Reforma da Previdência, encaminhada pelo governo de Michel Temer ao Congresso Nacional (PEC 287/16), e o cumprimento integral do Piso nacional do magistério. Os comandos estaduais e municipais de mobilização poderão agregar outras pautas à paralisação, de acordo com as realidades locais.

O congresso da CNTE, realizado em Brasília, considerou inevitável a deflagração de uma greve nacional em função dos desdobramentos do que definiu como “golpe jurídico-parlamentar e midiático” no Brasil. Esse golpe, na avaliação da confederação, afronta o Estado Democrático de Direito previsto na Constituição, substitui as políticas de distribuição de renda por políticas de privatização e terceirização, e engessa o Estado brasileiro, por meio do congelamento dos investimentos por vinte anos, impedindo-o de promover o crescimento econômico.

Reforma da Previdência também entrou em discussão

A CNTE criticou ainda a imposição de uma Reforma da Previdência. De acordo com a confederação, isso “castigará a classe trabalhadora e os mais pobres do país, especificamente na educação as mulheres, patrocinando o desmonte da previdência pública e promovendo os fundos privados”. Ainda segundo a CNTE, a greve nacional da educação também pretende fortalecer a construção da greve geral da classe trabalhadora, que deve ser convocada pelas centrais sindicais este ano.

(Portal ARede, 06/02/2017)

Imprimir