Fique atento às novas modalidades de golpe praticados contra a categoria

O Sinpro-DF informa que as quadrilhas têm diversificado as modalidades criminosas na tentativa de lesar os(as) professores(as) e orientadores(as) educacionais. Nas últimas semanas o sindicato foi informado sobre novos golpes que estão sendo aplicados, todos praticados sob a promessa de recebimento do valor referente ao precatório, mas mediante o pagamento de uma taxa.  

Em um dos golpes, os criminosos utilizam uma suposta isenção do Imposto de Renda 2022 para praticar o crime. Os(as) golpistas(as) estão entrando em contato com a categoria dizendo que o precatório está liberado e que precisa ser paga uma custa judicial (custa cartorária) para que o suposto valor seja transferido. Em seguida os(as) estelionatários(as) informam que o(a) professor(a)/orientador(a) educacional tem isenção do IR e enviam uma declaração de isenção, juntamente com uma conta bancária de pessoa física para depósito da “taxa cartorária”.

 

Funcionário de escritório de advocacia

Em outra artimanha uma pessoa, se passando por funcionário de um dos escritórios de advocacia que atendem o Sinpro, entra em contato com a categoria comunicando sobre a liberação de um processo do Pó de Giz. A exemplo das outras modalidades de golpe, o bandido solicita uma transferência em dinheiro para que a vítima receba a quantia a que tem direito. Para ludibriar, os estelionatários dizem que devido à situação que o Brasil se encontra referente à Covid-19, as liberações estão sendo feitas de forma remota. Sendo assim, o(a)professor(a)/orientador(a) educacional teria de ligar para um número, onde outro criminoso passaria a conta para a transferência, e somente após isto o escritório falso liberaria o valor, que nunca chega.

 

Ticket Alimentação

Em mais uma versão utilizada pelos estelionatários, um professor foi contatado e informado que havia sido autorizado o pagamento de R$ 108 mil referente ao precatório do Ticket Alimentação, ação movida por um suposto escritório jurídico do Sinpro. Porém, para receber o dinheiro, o educador deveria pagar as taxas, valor totalmente indevido, uma vez que o sindicato nunca solicita nenhum tipo de transação bancária para que professores(as) e orientadores(as) educacionais recebam vantagens financeiras.

Para identificar se a ligação é um golpe, basta ficar atento ao pedido de qualquer tipo de taxa/valor/dinheiro para recebimento de precatório. Caso a pessoa peça dinheiro, tenha a certeza que se trata de um golpe!

 

Funcionário do BRB

Em outra modalidade criminosa, os bandidos ligam pelo telefone 3322-1515 – contato oficial do Banco de Brasília (BRB), mas clonado – informando que o banco fez um PIX por engano para a conta do(a) professor(a) ou orientador(a) educacional, solicitando a devolução do valor. Além deste procedimento, os estelionatários também ligam dizendo ser de uma empresa jurídica ligada ao BRB, fazendo a cobrança de tarifas não pagas. Na maioria das vezes, os falsários enviam um link ou pedem dados para “corrigir o problema” e até mesmo solicitando dinheiro. Não abra o link, não forneça dados ou transfira qualquer quantia em dinheiro. Trata-se de um golpe!

 

Leilão de precatórios

Além de todas as modalidades de golpe, o Sinpro alerta sobre a venda dos precatórios.  Diante das ações judiciais propostas pelo sindicato, muitos(as) têm garantido o direito de receber o valor do precatório e, a partir disto, são abordados(as) por advogados ou outras pessoas para vender seu benefício. Ocorre que muitas vezes esses profissionais não explicam aos(às) professores(as) e orientadores(as) educacionais as consequências e possibilidades de recebimento dos valores inscritos em precatório, dando a entender que a venda é sempre o melhor negócio.

Em razão de recorrentes reclamações de professores(as) que se sentiram lesados por vender seus precatórios e depois descobrir que tinham outras opções, o Sinpro informa que antes de vender é importante ter ciência de todas as opções existentes. Primeiramente é importante esclarecer que existem prioridades nos pagamentos dos precatórios para os maiores de 80 anos, maiores de 60 anos, portadores de doenças graves e deficientes. Estes grupos têm direito de receber o benefício com prioridade.

 

Diante da preocupação do Sinpro com os golpes praticados por criminosos nos últimos anos, os diretores do sindicato Dimas Rocha e Silvia Canabrava, juntamente com o advogado Dr. Lucas Mori, falaram um pouco sobre o assunto, que tem afligido a categoria. Confira o vídeo: