Comissão do Sinpro é recebida pelo futuro secretário de Educação

A Comissão de Negociação do Sinpro foi recebida na última segunda-feira (26) por Rafael Parente, indicado para assumir a Secretaria de Educação a partir do dia 1º de janeiro de 2019. Na ocasião a comissão entregou a pauta de reivindicações da categoria e discutiu alguns pontos, claro que em um processo de transição.
A comissão adiantou ao futuro secretário algumas preocupações da categoria, uma delas em relação ao concurso de orientadores(as) educacionais, que está com o vencimento para maio/2019, bem como a nomeação de professores(as). A preocupação ganha força devido à necessidade e urgência desse(a) profissional nas escolas públicas do Distrito Federal. Rafael Parente afirmou que um levantamento está sendo feito, e que foi solicitado um parecer para analisar a urgência de novas nomeações para a rede pública de ensino.
Outro ponto abordado durante a reunião foi sobre o pagamento da pecúnia, que tem acontecido, mas com um valor muito baixo. A comissão salientou que o futuro governo precisa dar prosseguimento ao pagamento, mas com uma perspectiva de aumentar o valor, sem esquecer que o pleito é a quitação dessa dívida. O futuro secretário disse que estudos estão sendo feitos para ver o tamanho dessa dívida, tendo em vista que o pagamento não atinge apenas os servidores da Educação, mas de todas as categorias do GDF.
A comissão também pediu que o PDAF seja visto com bastante atenção, uma vez que os(as) gestores(as) continuam sem condições de se organizarem porque não tem previsão de data nem de valor a ser recebido para dar andamento nos trabalhos nas escolas. Com relação à última parcela do reajuste (6ª parcela), o que foi apresentado é que está nas prioridades de análise de orçamento.
O futuro secretário colocou a preocupação com o fortalecimento da coordenação pedagógica, portanto de uma política para que esse espaço seja bem proveitoso. Aproveitamos para alertar sobre os riscos de aprovação da Lei da Mordaça. Em relação ao tema Parente disse que é um defensor da democracia e que temos condição de implantar outros projetos preventivos nas escolas que possam trabalhar conteúdos sem cercear o direito dos(as) professores(as).
O futuro secretário também comentou da intenção de criar uma plataforma digital e sobre a necessidade de investir em tecnologia nas escolas, modernizando o ambiente escolar e oferecendo mais condições e ferramentas de trabalho para a categoria.
Ao final da reunião ficou firmado que tão logo o novo governo tome posse, seja estabelecida uma mesa permanente de negociação para darmos prosseguimento a todos esses pontos, tendo em vista que temos uma pauta com mais de 140 itens a serem debatidos com demandas da categoria.
Sabemos que o êxito no processo de negociação se dará da participação da categoria, da nossa capacidade de mobilização e de luta, como sempre foi feito. Por isso é importante a participação dos(as) professores(as) e orientadores(as) educacionais para que tenhamos novas conquistas.

Skip to content