Eleita, nova direção da CUT Brasília tem defesa da democracia como estratégia da classe trabalhadora

Foi eleita nesta sexta-feira (8), durante o 14º CECUT (Congresso Estadual da CUT Brasília – Lula Livre) as diretoras e os diretores que coordenarão os trabalhos da CUT Brasília no próximo quadriênio (2019/2023). O pleito foi realizado antes do esperado. Diante da saída do presidente Lula da Superintendência da Política Federal em Curitiba, a programação foi alterada, e a escolha do novo grupo, que seria feita neste sábado (9), foi antecipada.

Consensuada em chapa única, o grupo é composto por 36 diretoras/es, sendo 18 da Direção Executiva e 18 da Direção Estadual, com paridade de gênero. A nova direção, presidida pelo professor Rodrigo Rodrigues, terá grandes desafios para enfrentar no próximo período, diante de um cenário de ataques sistemáticos aos direitos da classe trabalhadora, do desmonte do Brasil e da desconsideração das leis vigentes na Constituição Federal de 1988.

“A CUT tem que fazer uma luta incessante para defender um dos seus maiores princípios. Além da solidariedade de classe e da defesa classista, nós temos que fazer a defesa incansável da democracia. É com a democracia brasileira, com o estabelecimento do Estado democrático, que nós conseguiremos avançar nas nossas sociedades e, com isso, acumular forças na classe trabalhadora, acumular energia para que a gente possa fazer a transformação que desejamos de sociedade, transformando-a em uma sociedade justa e igualitária”, discursou Rodrigo Rodrigues.

O presidente eleito da CUT Brasília ainda ressaltou a importância da luta contra a entrega da riqueza nacional, contra as privatizações das estatais, contra a entrega da Amazônia, contra o Estado mínimo e as reformas impostas pelo governo Bolsonaro.

Segundo Rodrigues, uma outra tarefa dessa nova direção é a luta contra as desregulamentações no mundo do trabalho, que amplia a precarização. “É um desafio nosso fazer a luta para a representação desses companheiros e companheiras e, ao mesmo tempo, lutar para que essa desregulamentação não chegue às nossas categorias organizadas. Com a reforma sindical que se pretende, a desregulamentação é a tentativa do capital e ter lucro máximo em cima da classe trabalhadora”.

Participaram do 14º CECUT 118 delegadas e 164 delegados, representando diversas categorias, além de observadoras e observadores.

Com a alteração na programação do Congresso, o Plano e Lutas para os próximos quatros anos será discutido e deliberado em plenária a ser agendada pela nova diretoria da CUT Brasília. O encontro será realizado com as/os mesmas/os delegadas/os eleitos para o 14º CECUT.

A lista completa com os nomes e cargos da nova diretoria será divulgada em breve.

Perfil

Goiano de nascimento, Rodrigo Rodrigues viveu toda a infância em Araguari (MG), cidade de origem da sua família. Mudou-se para Brasília em junho de 1990.

Sempre estudou em escolas públicas. Fez ensino médio técnico e se formou em Contabilidade. Foi com essa formação que conseguiu seu primeiro emprego, aos 16 anos, na Caixa Econômica Federal. Depois foi contratado por uma empresa terceirizada e prestou serviço no departamento financeiro do banco, no edifício Matriz da Caixa.

Em 2002, se formou em Estudos Sociais, com Habilitação em História e Geografia. No mesmo ano, deixou o emprego na Caixa e começou a lecionar. Entrou na Secretaria de Educação do DF em 2004, como professor de História da rede pública de ensino. Sempre lecionou na Regional de Ensino do Paranoá e Itapoã. No início, em Educação de Jovens e Adultos e, posteriormente, em escolas de ensino fundamental e médio.

Também foi professor da rede privada, lecionando em várias escolas de Taguatinga, Plano Piloto, Lago Norte e Cruzeiro.

Participou da direção do Sindicato dos Professores do DF (Sinpro-DF) na gestão 2010-2013, onde exerceu a função de coordenador da Secretaria de Cultura.

Ingressou na CUT Brasília em 2013, como secretário de Formação. Também foi membro da coordenação da Escola Centro Oeste de Formação Sindical da CUT – Escola Apolônio de Carvalho.

Em 2015 foi eleito secretário-geral da CUT Brasília. E agora, em 2019, assume a Central como presidente.

Fonte: CUT Brasília | Fotos: Allen Mesa

Skip to content