Por administrador em 10/nov/2011

Sinpro conclama educadores para as atividades do mês da consciência negra




Novembro será um mês de atividades intensas com relação ao combate ao racismo no país. É o mês em que comemoramos a consciência negra e intensificamos o combate ao preconceito e à discriminação por razões de raça (cor da pele) e etnia. Aliado a isso, é importante dizer que estamos no ano internacional dos afrodescendentes, instituído pela ONU. O Sindicato dos Professores no Distrito Federal participará de algumas ações, nas quais o envolvimento das(os) professoras(es), orientadoras(es) e diretoras(es) será fundamental. Uma delas é o projeto Cara e Cultura Negra.

O projeto Cara e Cultura Negra, que conta com o apoio do Sinpro, é um programa de ações anuais que visa promover e preservar a identidade cultural, social e econômica resultante da influência da raça negra na construção da sociedade brasileira e potencializar a participação dessa população no processo de desenvolvimento, a partir de sua história e sua cultura. O projeto apresenta a essência da Diáspora Africana, seus atores principais, suas experiências e manifestações, conectando as pessoas através da arte, da cultura e da História Africana, explorando o impacto que as pessoas de ascendência africana tiveram na vida contemporânea em todo o mundo, promovendo uma eterna celebração à força da universalidade.

Em seu sétimo ano, o projeto Cara e Cultura Negra acontecerá entre os dias 7 e 21 de novembro, com duas atividades: uma exposição fotográfica itinerante, cujo tema é “Mulheres negras na construção de Brasília”, que acontecerá em quatro estações do metrô – Central, Galeria, 108 e Praça do Relógio, em Taguatinga –, e um fórum de discussões intitulado “Mulheres que Brilham”, que acontecerá na Câmara Legislativa do DF.

A exposição fotográfica itinerante é uma excelente oportunidade para o desenvolvimento de atividades extra-classe, com visitas de turmas, sendo necessário para isso o agendamento prévio. Serão 11 dias de exposição – do dia 7 ao dia 18 de novembro – e os professores podem fazer o agendamento das visitas por intermédio do Sindicato, no telefone (61) 3343-4206. Cada turma visitará apenas uma estação, lembrando que os dias 12 e 13 de novembro são sábado e domingo. No dia 14 de novembro haverá recesso escolar e, no dia seguinte, 15 de novembro, é feriado. Por isso, é importante ter um planejamento, para que não ocorra um choque de datas e horários, considerando que restaram apenas sete dias para as visitas.

Além da exposição fotográfica, haverá um fórum de debates intitulado “Mulheres que Brilham”, que acontecerá no auditório da Câmara Legislativa do DF, das 15h às 19h, divididos em quatro dias diferentes. O primeiro debate ocorrerá no dia 7 de novembro, com o tema “Mulheres no mercado de trabalho – a mulher negra no mercado de trabalho”. O segundo será no dia 11 de novembro, cujo tema será “Liderança e participação política – mulheres negras na política brasileira”. O terceiro terá como tema “O combate à violência contra as mulheres” e será realizado no dia 18 de novembro. Por último, no dia 21 de novembro, será a vez de discutir a “Saúde da mulher – políticas públicas de saúde para mulheres negras”.

Essa é também uma atividade que pode ser feita por meio de inscrição, uma vez que as(os) educadoras(es) receberão certificados das discussões que participarem. O fórum de debates será um momento importante de troca de informações e de conhecimentos a respeito da contribuição da raça negra na construção do Brasil, com um foco especial na mulher negra. As inscrições podem ser feitas na página do Sindicato e, também por telefone (61-3343-4206). Qualquer pessoa pode se inscrever para os fóruns de debate. Esta iniciativa é uma forma de sensibilizar as educadoras e educadores do Distrito Federal para a importância de valorizar a Cultura e História Afrobrasileiras, bem como a aplicabilidade da Lei 10.639/03, que obriga as instituições de ensino a incluírem essa temática em seus currículos oficiais, nas áreas de Educação Artística, Literatura e História brasileiras.

Imprimir