Por administrador em 25/mar/2012

GDF admite que utiliza R$ 285 milhões do FCDF para manutenção da máquina



Mais uma tentativa do GDF de distorcer os fatos. Em nota publicada nos jornais neste fim de semana o governo usa de inverdades para confundir a comunidade. Esclarecemos que o reajuste salarial de 13.83%, resultado da luta da categoria, está sendo pago em três parcelas(abril  e setembro de 2011 e março de 2012). Esse é apenas o percentual de reajuste do índice do Fundo Constitucional  do DF (recurso da União que GDF recebe anualmente), de 2011.

– O Governo afirma que nomeou 400 concursados, mas na verdade foram 334, sendo que  em 2011 mais de 900 professores(as) se aposentaram. O que significa dizer que as nomeações não foram suficientes para suprir as carências oriundas de aposentadoria.

– Há 15 meses de iniciado o atual governo, não houve mudanças no modelo de gestão do sistema educacional do DF. A Gestão Democrática demorou a ser enviada à Câmara e apesar de ser Lei continua no papel.

– Também é fato que houve reajuste do auxílio alimentação no valor de R$ 304,00, porém o pleito da categoria é a equiparação do valor dos servidores da CLDF, superior a R$ 500,00;

– Sobre a reforma das escolas: basta percorrer as cidades para se perceber a real situação da estrutura das escolas;

–  Em nenhum momento sugerimos que se retire de outras áreas recursos para serem destinados à educação, até porque os recursos do Fundo já estão com  percentuais definidos para as áreas de educação, saúde e segurança. Os RS 285 milhões aos quais nos referimos já são da Educação. O que estamos apontando diante do impedimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é que o governo utilize os recursos próprios para o custeio da máquina administrativa.

Lamentamos que o governo tente desgastar a nossa categoria que tem compromisso histórico em defesa das causas sociais do DF e destacamos que nosso compromisso é defender a educação de qualidade sem causar qualquer espécie de prejuízo à comunidade.    Repudiamos a atitude do GDF de se utilizar do seu poder junto à mídia, com recursos milionários, na tentativa de confundir a população e não reconhecer o justo pleito da Carreira do Magistério Público.

Por fim, entendemos que o GDF reafirma por meio da nota divulgada em toda imprensa que realmente tem utilizado dos recursos do Fundo Constitucional para outros fins. Portanto, manter a greve é uma  opção do GDF.

A esse desrespeito responderemos intensificando a mobilização. Todos à assembleia nesta terça-feira, dia 27, às 9h30 na Praça do Buriti.

Imprimir