Xô Covid, vacina logo! – Convença as pessoas idosas a tomarem a dose de reforço

Dando continuidade à campanha Xô Covid, vacina logo!, chegou a hora da dose de reforço para os idosos com 60 anos ou mais. Segundo o Ministério da Saúde, são cerca de 7 milhões de brasileiros nessa faixa etária e a aplicação do reforço é para as pessoas que tomaram a segunda dose há mais de seis meses, independentemente do imunizante usado no primeiro ciclo de imunização.

Segundo estudo publicado no periódico The Lancet, assinado por pesquisadores da Universidade Oxford, da Organização Mundial de Saúde (OMS) e outras entidades, todas as vacinas contra Covid-19 que estão sendo usadas hoje em larga escala mantêm sua eficácia contra casos graves e mortes em níveis aceitáveis, inclusive meses depois da aplicação. Israel, Estados Unidos, Alemanha, Turquia, Chile, Uruguai e Rússia estão entre os países que já estão distribuindo a terceira dose para grupos em maior risco, e diversos outros se planejam para seguir o mesmo caminho nos próximos meses. Nestes países, os resultados têm sido positivos.

Porém, um dos exemplos mais marcantes hoje no mundo é o da Dinamarca. No dia 10 de setembro, o governo da Dinamarca acabou com todas as medidas de restrição contra o Coronavírus e a população retornou à vida normal. O fato se deve a 88% da população adulta estar vacinada com as duas doses contra a Covid. Diante desta marca, as boates estão funcionando, os festivais de música acontecem nos fins de semana e o transporte público está cheio de pessoas sem máscara, além das escolas estarem recebendo alunos sem restrições. O Coronavírus não desapareceu do país, mas não é mais responsável por pressionar o sistema de saúde, e os hospitais têm dado conta da nova demanda.

No sentido inverso, o Brasil tem, hoje, somente 44,6% da população totalmente vacinada, ou seja, com as duas doses. Com esta porcentagem, o retorno à normalidade, a exemplo da Dinamarca, fica longe de ser alcançado, assim como a possibilidade de atingirmos a imunidade de rebanho.

A rigor, a necessidade de aplicação de mais uma dose se baseia em três fatores: disseminação da variante Delta, a queda de anticorpos neutralizantes após alguns meses e a fragilidade do sistema imunológico de grupos específicos. A Delta, variante mais transmissível que já predomina em estados como São Paulo e Rio de Janeiro, tem se mostrado mais resistente a anticorpos desenvolvidos em contatos anteriores com o Sars-CoV-2 e parece elevar o risco de infecções sintomáticas em vacinados.

Diante de tudo isto, cabe a cada um de nós incentivar pais, mães, avós e avôs a se imunizarem. É respaldado nisto que a campanha Xô Covid, vacina logo!. Não se trata de mais uma campanha de conscientização, de um convite ou de um pedido especial, mas de um apelo à vida de cada um de nós, das pessoas que mais amamos e da esperança de podermos voltar a fazer tudo que fazíamos antes da pandemia. É somente aceitando e respeitando a vacinação que conseguiremos tudo isto novamente!

E você, escola, como está participando desta campanha? Mande pra gente a forma como esta campanha está sendo feita, os resultados obtidos, quais os meios utilizados para incentivar os(as) idosos(as) a se vacinarem. O Sinpro vai divulgar como cada escola tem trabalhado para que outras também possam participar. Mande todo o material pelo e-mail imprensa@sinprodf.org.br ou pelo telefone 99323-8131. Todo conteúdo será divulgado na página do Sinpro-DF e nas nossas redes sociais (Facebook, Instagram e Twitter).