Volta das aulas presenciais no DF preocupa professores e famílias

“Para voltar à normalidade é preciso muita escuta, e queríamos garantir que o governo nos escutasse”, argumenta a professora Berenice D’Arc – Foto: Arquivo/EBC

 

Em meio ao cenário incerto da pandemia, o governo do Distrito Federal publicou um decreto (nº 40.939) que autoriza o retorno das atividades pedagógicas nas escolas públicas a partir do dia 3 de agosto. O decreto desrespeita completamente as diretrizes e preocupações da Organização Mundial de Saúde (OMS), órgãos ligados à saúde e de cientistas, que alegam ser totalmente perigoso aglomerar estudantes em um momento que a curva, infelizmente, ainda está em alta.

Com a taxa de isolamento social caindo – no último dia 20, o isolamento atingiu 35,6% da população – e o número de óbitos totalizando 1.176 no Distrito Federal, esta ameaça do retorno presencial preocupa os professores, que alegam a falta de segurança e estrutura para retomarem os trabalhos nas escolas. Como expõe, Berenice D’Arc, diretora do Sindicato dos Professores do DF.

 Para voltar à normalidade é preciso muita escuta, e queríamos garantir que o governo nos escutasse.

 

“No espaço que nós tínhamos com várias salas, com metragens pequenas e com pouca ventilação sabemos que teremos que pensar em um novo espaço para receber um número menor de estudantes, com um trabalho diferenciado em relação a sua permanência na escola”, explica.

“Temos um debate grande a ser construído. E neste momento a escola não está pronta para isto. Entendemos que é importante construir o retorno, não nos negamos até porque é o nosso ambiente de trabalho, mas para voltar à normalidade é preciso muita escuta, e queríamos garantir que o governo nos escutasse”, argumenta a professora.

Leia também: Retorno às aulas coloca em risco a vida de 9,3 milhões de pessoas, aponta Fiocruz

Entenda: Casos de covid no Distrito Federal sobem mais de 1.000% desde a liberação do comércio

O secretário de educação do DF, Leandro Cruz, garante que haverá todo o suporte necessário para esta retomada nas escolas, como testagem dos professores e segurança com os protocolos contra a covid.

“O que o decreto prevê é que a partir do dia 3 de agosto está autorizado o retorno das atividades pedagógicas nas escolas. Nós testaremos os professores. Nós prepararemos todo o protocolo e teremos uma volta gradual e segura para os nossos estudantes, professores, servidores e para toda a comunidade da educação”, afirma.

Relembre: Governo do Distrito Federal decreta estado de calamidade pública, mas afrouxa regras

De acordo com o censo de dados escolares da Secretaria de Educação do DF, os 460 mil alunos matriculados na rede pública terão que se preparar para o retorno das aulas presenciais. No contexto de pandemia, esta volta envolve uma também questões fora da escola como o transporte e outras condições sanitárias para prevenção, fato que incomoda os responsáveis por estes estudantes.

A mãe de uma estudante, Débora Pontes, afirma que não levará sua filha à escola até que a situação se normalize. “Como mãe não me vejo segura para mandar novamente minha filha para a escola, pegar o transporte público lotado, porque são horários de pico e ainda ficar no ambiente escolar em que as salas são fechadas e pouco arejadas. Depois esse estudante tem que retornar novamente com o transporte público.”

“Não vejo essa possibilidade no momento, espero que pelo menos os casos tenham uma queda drástica para que depois haja o retorno às aulas”, argumenta

Mesmo com a oposição de grande parte dos professores e pais, a previsão para a retomada das aulas presenciais começa com a testagem para a covid dos profissionais da educação nos próximos dias de 3 a 14 de agosto e seguirá de forma gradual para os estudantes.

Aprofunde-se: Saúde, falta de estrutura e desigualdade: os riscos da volta às aulas na pandemia

Edição: Rodrigo Chagas

Fonte: Site Brasil de Fato

Skip to content