Trabalho, saúde e cidadania – As LER e os transtornos da voz

Capa_CadernoEducação_n22Este é o terceiro artigo publicado na série Caderno de Educação da CNTE n° 22, com o tema Saúde dos(as) Trabalhadores(as) em Educação. O artigo desta semana traz um estudo sobre doenças coletivas de trabalho, como a Lesão por Esforço Repetitivo (LER) e o transtorno de voz.
Neste estudo, publicado na edição de janeiro a junho de 2010, essas doenças ganham abordarem atual e diferenciada. O autor, Herval Pina Ribeiro, as vê como adoecimentos e doenças coletivas esvaziadas do conteúdo heurístico, social e cotidiano e, por isso, as soluções para elas são apenas remediadoras, como a assistência médica ou o contencioso trabalhista e civil.
“A causalidade das doenças coletivas do trabalho permanece escondida, presa às amarras do trabalho em si, conceitualmente reduzida ao risco ou dispêndio de energia humana in loco durante a jornada. Isto faz com que se abram espaços para conceitos e expressões imprecisos, como estresse e assédio moral”.
Ribeiro afirma que o problema é cotidiano e, embora já se tenha muitas pesquisas em várias áreas da medicina sobre ele, e até mesmo jurídicos, ainda se trata de uma questão carente de mais estudos que revelem mais e novas informações sobre as relações sociais do trabalho com a saúde e a cidadania.
Doutor em saúde pública e professor do Departamento de Medicina Coletiva da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Ribeiro aborda aqui a complexa rede de causalidade das doenças coletivas do trabalho, focando sua análise nas LER e nos transtornos da voz.
“Para tanto, evidencia a influência de postulados ideológicos do positivismo científico na formação e na atuação dos profissionais de saúde. Observa-se que,sob tal ideário, são disseminados conceitos e expressões que escondem a causalidade das doenças coletivas do trabalho, contribuindo para esvaziar o conteúdo social e cotidiano dos adoecimentos”, diz Pina. Confira no link. Boa leitura.

Skip to content