Trabalhadores da CEB rejeitam proposta da empresa e mantêm greve

Em assembleia geral realizada nesta segunda (6), os trabalhadores da Companhia Energética de Brasília (CEB) rejeitaram a segunda contraproposta relativa à Campanha salarial de 2017 apresentada pela empresa e deliberam pela manutenção do movimento paredista. Um novo encontro está agendado para esta quarta (7), às 9h, em frente da sede da instituição.
Pela sugestão de reajuste apresentado pela empresa, salário e algumas cláusulas teriam aumento do INPC, estimado em apenas 2% no período de 1º de novembro de 2016 a 31 de outubro de 2017. No entanto, assim como na primeira contraproposta, a CEB continua ignorando o ticket natalino, abono, e outros benefícios exigidos pela categoria.
Enquanto isso, os trabalhadores reivindicam reajuste salarial linear de R$ 1,2 mil, além da recomposição do INPC relativo às datas-bases de 2014/15 e 2015/16. Outros pontos, como a manutenção das cláusulas sociais do último ACT, também são pleiteados.
Greve
Segundo o diretor do Sindicato dos Urbanitários no Distrito federal− entidade que representa a categoria−, José Edmilson, o movimento paredista, que teve início nas primeiras horas desta segunda, começou forte. “A greve continua firme com adesão total da categoria, com atendimento apenas dos serviços essenciais e os atendimentos emergenciais”.

Skip to content