Sinpro se reúne com novo secretário de Educação

A diretoria do Sinpro se reuniu com o novo secretário de Educação do Distrito Federal Leandro Cruz durante a tarde dessa quarta-feira (24). Esta é a primeira reunião presencial que o sindicato tem com a Secretaria de Educação desde o início da pandemia do novo Coronavírus, e durante o encontro foram tratados diversos assuntos de interesse dos(as) professores(as), dos(as) orientadores(as) educacionais e da Educação pública do DF.

Uma das pautas tratadas foram as condições de trabalho para o retorno das atividades em forma de aulas remotas dos(as) servidores(as) da SEE. Também pontuamos algumas preocupações em relação ao retorno das aulas e as dificuldades que os(as) professores já têm enfrentado ao longo destes dias de acolhimento e de informação que a SEE elaborou.

Confira cada um dos tópicos debatidos durante o encontro:

 

Dificuldades dos professores para a volta às aulas – A Secretaria de Educação acolheu as preocupações que o Sinpro apresentou em relação às dificuldades que os(as) servidores(as) estão tendo para lidar com as aulas remotas, com o planejamento das atividades e com as ferramentas tecnológicas.

Diante do que foi apresentado pelo sindicato a SEE vai ampliar o tempo de acolhimento até o dia 12 de julho, período que terminaria nesta sexta-feira (26). Com isto, segundo a própria nota da Secretaria de Educação, as aulas que valeriam como dia letivo a partir do dia 29 de junho só passarão a contar após esta extensão do período de acolhimento. As presenças não serão registradas a partir da próxima segunda-feira (29), como estava previsto, mas somente a partir de 13 de julho. 

 

Medidas de segurança para o retorno – O Sinpro foi informado que alguns servidores têm ido às escolas para buscar material pedagógico, e outras escolas têm convocado professores(as), orientadores(as), regentes, coordenadores(as) ou readaptados(as). Recebemos inúmeras reclamações que ao chegarem às escolas, não há medidas que possam prevenir estes(as) servidores(as) da contaminação da COVID-19.

Cobramos que as escolas tivessem um protocolo que reduzisse ao máximo a presença de professores(as) e orientadores(as) nas escolas, e quando tivessem a necessidade de ir, que tivessem condições de segurança com o uso de EPI’s.

A SEE ficou de analisar e tentar padronizar o funcionamento nas escolas.

 

Sobrecarga de trabalho – Alguns professores estão tendo uma sobrecarga de trabalho durante esta fase de acolhimento e planejamento das aulas. Solicitamos ao novo secretário que fosse reorganizada a conduta de trabalho, de forma que não haja esta sobrecarga do(a) professor(a).

A SEE também ficou de analisar e achar uma solução para o caso.

 

Plataforma Sinpro – Apresentamos ao secretário a plataforma criada pelo Sinpro, que recebe da categoria reclamações, sugestões e até mesmo a apresentação de problemas que vem sendo enfrentados para a formação e planejamento das atividades. Como são muitas as demandas, todas estão sendo tabuladas, o sindicato apresentou algumas e o secretário de Educação determinou a organização de uma comissão na SEE, que ficará responsável as informações desta plataforma digital do Sinpro.

Com esta plataforma, os(as) professores(as) que têm algum relato importante sobre este período de retorno na forma de aula remota e que não tenha se manifestado, que acesse a plataforma (clique aqui) e encaminhe suas dúvidas e questionamentos, uma vez que estaremos apresentando todas as demandas que a plataforma registrou junto à categoria à Secretaria de Educação.

 

Gestores de escolas – O sindicato também apresentou ao secretário demandas relacionadas aos(às) gestores das escolas, que vem desde o início da pandemia em Teletrabalho, muitos(as) deles(as) com relatos de sobrecarga de trabalho em função de terem de ter feito diversas adaptações na rotina de trabalho para este período. O secretário ficou de avaliar estas condições e dar um retorno ao sindicato.

 

Readaptados – Vemos com muita preocupação o fato de vários(as) readaptados(as) estarem indo às escolas para desenvolver materiais impressos. Temos recebido relatos que muitos(as) destes(as) são servidores(as) readaptados(as), alguns(as) com comorbidades e que não deveriam estar expostos a este tipo de serviço.

A SEE ficou de revisar o encaminhamento da aula remota dos(as) professores(as) e orientadores(as) readaptados(as).

 

Concursados – O Sinpro também apresentou ao secretário que a SEE havia feito a nomeação de 821 professores(as), nomeação suspensa em função da pandemia. No entanto, em função do início da aula remota e de aulas que já estão acontecendo, o sindicato afirma que é possível dar posse aos(às) professores(as) que foram nomeados(as), tendo em vista que a SEE vai fazer algumas contratações de professores(as) substitutos(as). Portanto, a adequação na legislação do decreto que suspendeu a nomeação deve ser defendida pela SEE para que estas nomeações possam ocorrer no mais breve tempo possível.

 

Contratos temporários – O sindicato apresentou a preocupação em relação à devolução de contratos temporários em função de alguns ajustes em turmas e classes nas escolas. A SEE disse que vai analisar caso a caso para que tenha um posicionamento a respeito.

 

A diretoria do Sinpro terá uma reunião semanal com a Secretaria de Educação, com o objetivo de acompanhar a implementação do plano de volta às aulas. Nossa maior preocupação, apresentada ao secretário, foi o cuidado com a vida em plena pandemia.

Skip to content