Sinpro mantém a luta pela manutenção do noturno do Gisno

Estudantes, professores(as), diretores(as) do Sinpro e representantes da coordenação regional de ensino do Plano Piloto se reuniram na última quinta-feira (02) para debaterem a possibilidade apresentada pela Secretaria de Educação do DF de fechamento do noturno do Gisno. O sindicato esteve representado pelas diretoras Delzair Amâncio, Letícia Vieira e Thaís Romanelli.

Na primeira reunião, realizada no dia 24 de abril, o diretor da escola, Isley Marth, disse que a regional comunicou o fechamento do Gisno durante uma reunião em março, sob o argumento de insuficiência de estudantes no noturno. Desde então, todos os envolvidos juntamente com o Sinpro realizaram uma série de atividades objetivando o aumento no número de matriculados, impedindo assim que vários(as) alunos(as) fiquem sem o direito de estudar.

Após várias falas enaltecendo o direito à educação e o dever do Estado de disponibilizar uma educação públcia de qualidade, o coordenador da regional de ensino do Plano Piloto, Álvaro Matos de Souza, solicitou que a escola encaminhe um documento à Secretaria de Educação do DF relatando a realidade do Gisno. “A partir desse relato e de toda mobilização feita pela comunidade escolar no Plano Piloto e pelos envolvidos em busca de mais alunos para a escola, a CRE analisará a possibilidade de prorrogar o noturno até o final do ano”, prometeu Álvaro.

Segundo a diretora Letícia Vieira, o objetivo é impedir que estudantes percam o direito de estudar. “Assim que soubemos da possibilidade de fechamento do noturno marcamos essa reunião para tentarmos solucionar o problema. O Gisno é a única escola da Asa Norte, é uma escola referência e precisamos lutar pela manutenção do noturno. Cabe a cada um de nós lutarmos por isso”, afirma a diretora do Sinpro.

Skip to content