Sinpro-DF realiza live sobre o Dezembro Vermelho na terça (1º/12)

No Dia Mundial de Luta contra a AIDS – 1º de dezembro –, o Sinpro-DF transmite uma live sobre o Dezembro Vermelho: a campanha da Organização das Nações Unidas (ONU) de conscientização e combate à pandemia mundial que já dura 40 anos: A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Sida, ou, Aids, em inglês) causada pela infecção do Vírus da Imunodeficiência Humana (sigla em inglês, HIV).

A live será transmitida às 10h, no YouTube do sindicato, com janela de libras, e conta com a participação dos diretores da Secretaria para Assuntos de Saúde do Trabalhador, Alberto Ribeiro, Glauco Luiz de B. Wanderley Neto e Thaís Romanelli Leite. Os diretores do Sinpro-DF irão receber o convidado Douglas Aparecido da Silva Gomes, que irá falar sobre o tema.

Servidor público do DF, Gomes é graduado em serviço social pela Universidade de Brasília (UnB) e tem várias pós-graduação. Em Políticas Públicas, Infância, Juventude e Diversidade pelo Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares (Ceam) e em Estado, Governo e Políticas Públicas pelo Instituto de Ciência Política (ICP), ambas na UnB. Atualmente, cursa uma especialização em Direto Homoafetivo e Gênero pela Universidade de Santa Cecília (UniSanta).

Com experiências profissionais na Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejus), Secretaria de Estado de Políticas para Crianças, Adolescentes e Juventude  (SECriança), atua na Secretaria de Estado de Saúde (SES-DF).

Breve histórico e atualidades
A AIDS é causada pelo vírus HIV, que interfere na capacidade do organismo de combater infecções. A mensagem da UNAIDS – órgão da ONU – para o Dezembro Vermelho, é um apelo a todos os países para que intensifiquem a ação global e propõe novas metas para a resposta ao HIV até 2025. A mensagem está no novo relatório, intitulado Vencendo as pandemias com as pessoas no centro da resposta.

A UNAIDS apela aos países para que façam investimentos muito maiores em respostas globais à pandemia do HIV e a adotem um novo conjunto de metas ousadas, ambiciosas, mas alcançáveis para o vírus. Se essas metas forem cumpridas, o mundo estará de volta ao caminho para acabar com a Aids como uma ameaça à saúde pública até 2030.

Em mensagem do Dia Mundial contra a Aids de 2020, a diretora executiva da UNAIDS, Winnie Byanyima, disse que a pandemia da Covid-19 está ameaçando o progresso que o mundo fez em relação à saúde e desenvolvimento nos últimos 20 anos, incluindo todos os passos dados na luta contra o HIV.

Ela diz que a desigualdade de gênero, de raça e as desigualdades sociais e econômicas se aprofundaram e que o mundo está cada vez mais desigual. A UNAIDS destaca, ainda, que, além de enfrentar a doença sem cura, as pessoas infectadas pelo HIV ou com a Aids já instalada no organismo sofrem com profundos preconceitos.

O Dia Mundial da Luta contra a Aids foi instituído, no Brasil, em 1988, um ano após a Assembleia Mundial de Saúde, da ONU, ter fixado essa dada para marcar o dia de conscientização. No Brasil, atualmente, segundo levantamento de julho de 2020 da Sociedade Viva Cazuza, há mais de 520 mil pessoas contaminadas pelo HIV.

MATÉRIA EM LIBRAS

Skip to content