Senado aprova projeto que adia Enem

A pressão popular pelo adiamento das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano surtiu efeito.  Na noite desta terça-feira (19), por 75 votos a 1, os parlamentares do Senado aprovaram o Projeto de Lei (PL) 1.277/2020, de autoria da senadora Daniella Ribeiro (PP-PB), que suspende a aplicação da prova em casos de calamidade pública.

A apenas o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, e envolvido com o escândalo da rachadinha no Rio de Janeiro, votou contrário ao PL.  A matéria segue agora para a Câmara dos Deputados e, depois, deverá ser encaminhada para sanção ou veto presidencial.

A decisão de manter as provas foi duramente criticada por diversas entidades estudantis, universidades, colégios e instituições sindicais. Essas instituições defendem o adiamento do exame, pois com o período de suspensão das aulas devido à pandemia de coronavírus (COVID-19), muitos alunos estão prejudicados. Os estudantes mais pobres, por exemplo, muitas vezes não têm internet para ter acesso ao ensino remoto durante este período de isolamento social.

Segundos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de agosto de 2019, pouco mais da metade da população mais pobre do Brasil, 52% das classes D e E não tem acesso à internet.

Para a diretora de Política Educacional do Sinpro-DF, Berenice D’arc, manter o cronograma  do ENEM em meio a essa epidemia é cruel, injusto, pois pode destruir o sonho de milhões de estudantes de ingressar em uma universidade.

“O governo se esquece de que a suspensão das aulas tem dificultado, e muito, o acesso de estudantes à educação. Existem jovens que não tem sequer acesso à internet, celular ou computador. Não dá para afirmar com certeza que todos estarão competindo com as mesmas chances. Adiar o Enem é fundamental para garantir o mínimo de igualdade de oportunidades para todas e todos. Nós, do Sipro, seguiremos em luta junto aos estudantes nesta causa”, explicou a dirigente.

Um abaixo-assinado proposto pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) já reuniu 350 mil assinaturas pedindo o adiamento da prova. Confira aqui: #AdiaEnem

Skip to content