Professores são alvo de golpe telefônico

    Professores(as) e orientadores(as) educacionais da rede pública de ensino do Distrito Federal estão sendo vítimas de golpe. O Sinpro-DF recebeu, novamente, denúncias de que professores(as) em atividade e aposentados(as) sindicalizados(as) estão recebendo ligações telefônicas de golpistas se passando por funcionários da Secretaria de Assuntos Jurídicos, Trabalhistas e Socioeconômicos do sindicato para extorquir dinheiro das vítimas.

    A luta para combater essa farsa é uma preocupação antiga da diretoria colegiada do sindicato que já foi denunciada à Polícia Civil do Distrito Federal.

    De acordo com as vítimas,  o contato ocorre por meio de ligações telefônicas e cartas. A quadrilha se faz passar pelo sindicato, usando até mesmo o número do telefone do Sinpro, e oferece atendimento jurídico para “auxiliar” no trâmite de processos judiciais.

    Os golpistas abordam os(as) professores(as) sobre os mais diversos assuntos, em um caso recente registrado: disseram para uma professora que ela tinha R$ 20 mil para receber, mas que, para liberar o recurso ela teria de enviar R$ 5 mil para uma determinada conta, no Ceará. Depois disso foi que ela percebeu que era um golpe.

    A professora diz que o número é o do Sinpro-DF e aparece no Google. O Sinpro já noticiou o Google e providências estão sendo tomadas.

    Sinpro-DF orienta

    O Sinpro-DF está atento ao surgimento de novas denúncias e ressalta a importância dos(as) sindicalizados(as) desconfiarem de ligações e cartas com cobranças sobre qualquer assunto, principalmente os econômicos e esclarece que a entidade não cobra nenhum tipo valor monetário para administrar as causas jurídicas dos(as) professores(as).

    Antes de passar qualquer dado pessoal, verifique se, de fato, está falando com um funcionário do sindicato. Ligue para o Sinpro-DF no 3343-4200/4201.

    Outra maneira de se precaver contra falsos advogados é pedir o número de registro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Com essa informação em mãos, é possível consultar a situação do profissional no Cadastro Nacional de Advogados (CNA).