Professores lotam galeria da CLDF e exigem pagamento da pecúnia

Professores(as) e orientadores(as) educacionais que se aposentaram entre fevereiro de 2016 e durante o ano de 2017 lotaram a galeria da Câmara Legislativa do Distrito Federal durante a tarde desta terça-feira (08). A mobilização faz parte do conjunto de ações promovidas pelo Sinpro para o pagamento da pecúnia da licença-prêmio, direito garantido por lei e descumprido pelo GDF.
Diante do número de professores presentes na galeria o presidente em exercício da CLDF, deputado Wellington Luiz (PMDB), se reuniu com uma comissão formada por diretores do Sinpro e aposentados. Durante a reunião os professores(as) solicitaram dos parlamentares presentes uma atuação junto ao governo no sentido de garantir a agilidade do pagamento das pecúnias, uma vez que o compromisso feito pelo governador Rollemberg (PSB) antes mesmo da aprovação do Projeto de Lei Complementar (PLC) nº 122/2017, que alterou o sistema previdenciário dos servidores públicos do DF e autorizou o governo a utilizar os recursos do IPREV, foi de utilizar este recurso para o pagamento das pecúnias.
Após a aprovação do PLC, o governo ficou autorizado a utilizar R$ 100 milhões até dezembro, ponto que tem preocupado os professores aposentados, uma vez que até o momento apenas aqueles que se aposentaram em janeiro receberam a sua pecúnia. Rollemberg utilizou do argumento que o projeto mudaria o quadro financeiro do governo para convencer os parlamentares a votarem favoravelmente, dando destaque ao pagamento das pecúnias, fazendo crer que o benefício seria pago.
Os deputados distritais se comprometeram em fazer um debate interno com os demais parlamentares para que, juntos, encontrem uma solução para o problema. Uma das sugestões ventiladas pelos próprios deputados foi a utilização das sobras das emendas parlamentares para pagamento das pecúnias. “Viemos à Câmara Legislativa para que todos os deputados exijam que o governo reconheça o direito dos professores aposentados e pague a pecúnia, entendendo que a responsabilidade maior neste empenho é daqueles que foram favoráveis ao governo na votação do IPREV. A categoria saiu otimista com o compromisso dos parlamentares, mas entendendo que a luta deve ser diária até que todos e todas recebam o que lhes é de direito”, afirma a diretora do Sinpro Rosilene Corrêa.
Para a coordenadora da Secretaria de Assuntos dos Aposentados do Sinpro, Silvia Canabrava, a mobilização dos aposentados foi positiva, já que mostrou aos parlamentares que a categoria está unida e vai reivindicar até o fim o cumprimento da lei. “A cobrança foi bem incisiva e creio que os deputados costurem uma solução para o pagamento dos aposentados. Não vamos parar até que o último professor aposentado receba a sua pecúnia”, afirma a diretora.
Outras ações serão encaminhadas pelo Sinpro no sentido de pressionar o governo a cumprir a lei. Não aceitaremos encerrar o ano com todas estas pendências.

Skip to content