Primeira Semana Pedagógica do Sinpro foi um sucesso

Nesta sexta-feira (23) se encerrou a primeira Semana Pedagógica do Sinpro. Durante quatro dias, com um excelente quórum, foram discutidos temas relevantes para a categoria, como o Projeto Político Pedagógico (PPP), Base Nacional Comum Curricular, Terceiro Ciclo/Semestralidade, Gestão Democrática e a Educação de Jovens e Adultos (EJA).
“A semana pedagógica demonstrou que a categoria quer fazer o debate, quer discutir, anseia por formação. Nesse momento o Sinpro acertou em cheio, casando a nossa necessidade de dialogar com a categoria em um debate pedagógico com a necessidade dela mesma em fazer esse debate. Tivemos aqui nos quatro dias, um número enorme de professores, alguns deles que vieram em todos os dias”, salienta Berenice D’Arc Jacinto, coordenadora da Secretaria de Política Educacional do Sinpro.
Para a diretora, o encontro “foi fundamental para a gente entender que o debate pedagógico está latente e a categoria não está paralisada para fazer essas discussões. Também demonstra que nós, do Sindicato, precisamos valorizar o tripé ‘condições de trabalho, salário e formação’ e fomos o que fizemos aqui hoje, fazendo deste tripé o cerne das questões com a resposta da categoria. Foi uma semana excelente que precisamos repetir”, diz.
Para Regina Célia Pinheiro, diretora do Sinpro da mesma Secretaria de Política Educacional, esta história precisa ser escrita, principalmente em tempos tão adversos como os atuais. “No momento como esse, de retirada de direitos, na época em que a educação está sofrendo um golpe, é necessário termos esse momento para que reuníssemos representatividades da nossa categoria, para a gente discutir, refletir juntos, para continuarmos avançando contra esse projeto que não é de emancipação da educação e sim contra a nossa luta durante todos esses anos”, enfatiza.
E a luta é e sempre será um ato pedagógico e também político. De acordo com Regina, “nós entendemos a pedagogia como política, pois o ato político começa na hora em que a gente acorda e dura até a hora em que vamos dormir. Porque a escola é um espaço político, um espaço de reflexão, porque é um espaço de a gente ter conflito e é através dele que vamos gerando as construções. Uma escola emancipatória, pública, de qualidade e laica, precisa ser política”, aponta.
Após a exitosa primeira edição, por sugestão da própria categoria, uma segunda Semana Pedagógica será agendada, em julho, “trazendo inicialmente os mesmos temas da primeira, mas que também podemos diversificá-los de acordo com a necessidade e demanda que a categoria tenha”, afirma Berenice.

Skip to content