Prefeito de Formosa retalia e faz substituição irregular de grevistas

Protagonizando mais um episódio de perseguição aos servidores, o prefeito de Formosa, Itamar Barreto (PSD), ordenou desta vez a contratação irregular de pessoas para substituição dos grevistas e ainda ameaçou de exoneração alguns servidores municipais.
Segundo Suyenne Borges, dirigente do Sinprefor  – sindicato que representa a categoria – o governo local se utiliza de medida antissindical colocando substitutos nos locais de trabalho, fugindo de buscar solução para as reivindicações dos servidores.
Para Alex Oliveira, presidente do Sinprefor, a substituição do grevista é ilegal e um tipo de posicionamento que reflete a irresponsabilidade do atual governo local: “O cargo efetivo não pode ser substituído em nenhuma hipótese, sem processo administrativo. O funcionalismo está cansado de perseguições e estamos mobilizados para conseguir mudar essa situação lamentável”, disse.
Não é a primeira vez que o governo local ameaça e persegue grevistas. Recentemente, os servidores foram prejudicados com o corte sem autorização de 15 dias na remuneração, mesmo com a comprovação da legalidade do movimento paredista pela justiça. A prefeitura de Formosa, no entanto, afirmou que só efetuará a reposição dos valores cortados aos trabalhadores apenas com o fim da greve, que completou 57 dias nesta quarta (16).
Em relação aos cortes, às ameaças e às substituições, Alex Oliveira afirma que o sindicato tem articulado ações na justiça para combater os ataques da prefeitura e viabilizar resoluções para os problemas.
Entre as principais reivindicações do funcionalismo estão:o reajuste retroativo a todo ano de 2015, o reajuste do piso do Magistério conforme a lei federal, a negociação de pisos salariais das demais categorias e da pauta de reivindicações relativa à data-base/2016.
Após várias tentativas de negociação, o governo local voltou a repetir a mesma oferta à categoria, apenas com a inclusão de uma gratificação de 10% para os trabalhadores de higiene e alimentação. A prefeitura manteve sua proposta inicial de reajuste de 10% no piso dos professores que recebem abaixo de R$ 2 mil; gratificação de 20% aos servidores operacionais. Porém, a oferta não cobre as perdas com inflação, não representa ganho efetivo e não corresponde à pauta trabalhista de reajustes previstos em lei..
A próxima mobilização ocorre nesta sexta-feira (18), às 15h, na praça da prefeitura. “Intensificaremos ainda mais o movimento e esperamos o avanço das negociações para alcançarmos resultados positivos”, concluiu o dirigente Alex Oliveira.
Participam do movimento paredista de Formosa professores, merendeiros, guardas municipais, servidores da garagem e do quadro administrativo.

Skip to content