Pauta de reivindicações é entregue à maioria dos candidatos ao GDF

Respeitando uma decisão tomada pelas(os) professoras(es) e orientadoras(es) educacionais durante assembleia geral, a diretoria colegiada do Sinpro entregou a Pauta de Reivindicações da categoria a vários candidatos ao Governo do Distrito Federal. Nas últimas semanas Fátima Sousa (PSOL), Antônio Guillen (PSTU), Alexandre Guerra (NOVO), Júlio Miragaya (PT), Eliana Pedrosa (Pros), Rodrigo Rollemberg (PSB), Ibaneis Rocha (MDB) e Paulo Chagas (PRP) receberam o documento que determina o futuro de cada um(a) na carreira magistério público.
Nesse documento estão contidos mais de 100 itens que, juntos, podem contribuir com a qualidade da educação pública do DF. Portanto, não é somente uma pauta corporativa, mas um documento com inúmeros itens que versam sobre a qualidade do ensino. Mesmo diante de um compromisso que cada pleiteante ao Palácio do Buriti está fazendo com a Educação, o candidato Alberto Fraga (DEM) desmarcou o compromisso que havia assumido com a direção do Sinpro por duas vezes e sua assessoria não marcou outro dia para que Fraga pudesse receber o documento. O mesmo aconteceu com Rogério Rosso (PSD), que também desmarcou e não anunciou uma nova data.
Para a diretora do Sinpro Rosilene Corrêa, a entrega da pauta aos candidatos é um ato importante, uma vez que mostra a cada um(a) que pretende governar o DF as reivindicações que a nossa categoria tem. “A educação pública no Distrito Federal passa por uma dura realidade, com problemas que afetam diretamente a qualidade do ensino. Da mesma forma, a categoria também sofre com essa política de retirada de direitos e congelamento de salário. Diante disso, precisamos mostrar a cada candidato(a) a nossa pauta, para que tenham ciência das necessidades que a educação pública e seus servidores(as) têm”.
Já o diretor do Sinpro Cléber Soares diz que a entrega do documento foi importante para ouvir dos candidatos quais são seus compromissos. “Essa entrega foi importante, porque pudemos olhar os candidatos ao Buriti olho-no-olho. Saímos de lá com absoluta certeza de que teremos muita luta pela frente para poder implementar nossa Pauta de Reivindicações”.
Samuel Fernandes, também diretor do Sinpro, ressaltou que a comissão entregou o documento para os candidatos, exceto Fraga e Rosso, que não disponibilizaram agenda para receber o documento. “Espero que agora os candidatos façam uma carta compromisso com a Educação para atender as nossas demandas, caso vençam as eleições. Que esses compromissos sejam cumpridos de fato e não fiquem apenas como promessas eleitoreiras, como fez o atual governo”.
O diretor do Sinpro Gabriel Magno finalizou lembrando que este foi um processo muito importante, porque é fruto de muito debate, de uma pauta amadurecida no conjunto das escolas e contempla os interesses e necessidades da categoria. “Mostra mais uma vez que os(as) professores(as) e orientadores(as) estão muito organizados(as). É uma pauta muito consistente em defesa da escola e da melhoria da educação pública, luta pela criação do sistema, de melhoria das condições de trabalho, pela defesa do direito à educação às crianças, jovens e adultos. O Sinpro, mais uma vez, consegue protagonizar um debate político na sociedade, que é fundamental. Em meio a tantos ataques aos direitos trabalhistas, à democracia, com crescimento do fascismo e da intransigência, a categoria dá uma demonstração de que é possível discutir política pensando no bem comum”.

Skip to content