NASA divulga imagens de queimadas vistas do espaço e cita dados do INPE

    Agência espacial americana destaca que o número de incêndios ‘pode ser recorde’ e cita dados do Inpe, órgão atacado por Bolsonaro

    A agência espacial dos Estados Unidos, a NASA, publicou na noite desta quinta-feira 21 imagens de fumaça, vistas do espaço, que foram ocasionadas pelas queimadas na Amazônia. Em postagem feita nas redes sociais, a agência destacou que, por mais que essa época do ano seja propícia para queimadas, “o número de incêndios pode ser recorde”.

    Na publicação, a agência explica que as imagens foram obtidas por satélites na terça-feira 20, um dia depois da cidade de São Paulo e outras capitais ficarem com os céus escurecidos por conta de uma frente fria que trouxe, também, partículas de queimadas da região amazônica. O ministro do Meio-Ambiente, Ricardo Salles, disse que a associação era ‘snsacionalismo ambiental’.

    A agência norte-americana ainda destacou dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão brasileiro que vem sendo atacado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro do meio-ambiente, Ricardo Salles. Recentemente, ambos deram declarações que acusavam o Inpe de divulgar dados errados sobre o avanço do desmatamento no País, o que culminou na exoneração do diretor do Instituto, Ricardo Galvão.

    “Por mais que seja usual perceber incêndios no Brasil nessa época do ano por conta de temperaturas altas e baixa umidade, aparentemente o número de queimadas pode ser recorde. De acordo com o Inpe, o centro de pesquisa espacial do Brasil, quase 73 mil incêndios foram registrados até o momento neste ano. O Inpe vê um aumento de 83% em relação ao mesmo período de 2018”, explica a NASA.

    O texto também contextualiza a metodologia utilizada pela agência para adquirir as imagens, que vêm do Sistema de Observação de Dados e Informações da Terra, em tradução literal, ou EOSDIS (NASA’s Earth Observing System Data and Information System (EOSDIS) Worldview) no inglês. A tecnologia é capaz de detectar cerca de 700 imagens em alta resolução com dados acoplados. “Muitas das imagens disponíveis são atualizadas a cada três horas, o que essencialmente mostra como a Terra inteira aparenta no ‘agora’”, explica.

    Fonte: CUT Brasil