Morre o professor João Felício, ex-presidente da CUT

É com imenso pesar que a diretoria colegiada do Sinpro-DF informa o falecimento, na madrugada desta quinta-feira (19), em São Paulo, do professor João Felício, ex-presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e primeiro latino-americano a presidir a Confederação Sindical Internacional (CSI). O velório está em curso, começou às 10h, no Cemitério do Araçá, e o sepultamento está previsto para ocorrer às 16h.

João Antônio Felício dedicou sua vida à defesa da classe trabalhadora. Participava ativa e pessoalmente da formação política dos(as) trabalhadores(as). O Sinpro-DF e a categoria do magistério público do Distrito Federal tiveram a honra de usufruir do seu profundo conhecimento e experiência como formador sindical. Diversas vezes fez palestras para o sindicato e professores(as) do DF.

PERFIL
Formado em desenho e artes plásticas, educação artística e história da arte pela Fundação Educacional de Bauru, João Felício começou sua trajetória de militância política e sindical nos anos 1970, quando lecionava desenho na rede oficial de ensino estadual de São Paulo e permaneceu até se aposentar. Sua trajetória é marcada pelas grandes lutas por um Brasil soberano e democrático e por uma classe trabalhadora emancipada.

Participou ativamente de todos os processos de redemocratização do País, ainda durante a ditadura militar, da criação dos principais instrumentos de luta da classe trabalhadora do fim dos anos 1970 e das décadas seguintes: a CUT e o PT; e da criação de uma nova concepção de educação pública e gratuita ao participar da luta pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB).

Em 1977, sua presença nas mobilizações dos professores sobressaiu. Aquele momento a categoria lutava por melhores condições de vida e salário, contra a ditadura militar e pela conquista da Apeoesp. Em 1980, foi eleito para o Conselho de Representantes da Apeoesp, pela região norte da capital.

Figura importante na construção do pensamento de esquerda no Brasil, João Felício participou, como delegado, do Congresso de Fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), no Colégio Sion, em São Paulo.  Em 1981, venceu a eleição para a diretoria da Apeoesp, como Diretor do Departamento Cultural. Neste período, foi criada a Comissão de Mulheres e a de Combate ao Racismo da Apeoesp e a organização de atividades culturais entre professores e estudantes, bem como a formulação da concepção de educação e escola pública da Apeoesp.

Em 1983, João Felício participou de todo o processo que culminou como a criação da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da filiação da Apeoesp à Central. Foi reeleito como diretor do Departamento Cultural. Em 1984, participou da campanha pelas Diretas Já e da histórica greve dos professores no governo Franco Montoro, quando a Apeoesp chegou a realizar assembleias com mais de 50 mil professores.

Em 1985, foi reeleito diretor de Subsedes da Capital da Apeoesp. Em 1987, foi eleito presidente da Apeoesp. Nesse ano, a entidade realizou duas greves, uma em cada semestre. Felício participou de forma ativa da luta pela LDB e, em 1989, foi reeleito presidente da Apeoesp com mais de 80% dos votos. Nesse ano, a categoria do magistério público de São Paulo realizou a mais longa greve da história dos professores do Estado de São Paulo (82 dias), resultando numa conquista de 126% de reajuste.

Em 1990, a Apeoesp lançou a campanha “Educação no centro das atenções” e João Felício foi eleito primeiro suplente do senador Eduardo Suplicy (PT-São Paulo) e membro do Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores. Em 1991, foi reeleito para o terceiro mandato como presidente da Apeoesp.

Em 1993, João Felício deixou a presidência da Apeoesp e retornou à sala de aula, na Escola Estadual de Primeiro e Segundo Graus Dr. Octávio Mendes, em Santana, na capital paulista. Nesse ano, a Apeoesp atingiu 122 mil filiados e 70 mil sindicalizados participaram da maior eleição da história da entidade. Atualmente, segundo o site da organização, a Apeoesp tem 180 mil filiados.

Em 1994, João Felício foi eleito para a direção Executiva Nacional da CUT, indicado pelos professores do Brasil. Nesse mandato, ele foi responsável pela Comissão de Educação, Formação Profissional e da Previdência e membro do Coletivo Internacional da CUT para questões relativas a Organização Internacional do Trabalho e Direitos Humanos (OIT).

Em 1997, foi eleito Secretário Geral Nacional da CUT e membro do Diretório Nacional do PT. Em 2000 assumiu a presidência nacional da CUT. Em 2003, foi eleito Secretário Geral Nacional da CUT e Secretário Sindical Nacional do PT. Foi membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social indicado pelo ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Foi indicado pela CUT para ser representante da Central no Conselho de Administração do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Fez parte, ainda, da Direção do Instituto de Cidadania.

Em 2005, retornou à presidência da CUT Brasil após saída do Luiz Marinho, que assumiu o Ministério do Trabalho. Em 2006, foi eleito, no 9º CONCUT, a Secretário de Relações Internacionais da CUT. Em 2009, foi reeleito Secretário de Relações Internacionais, mandato renovado em 2012, no 11º CONCUT.

Em 2014, foi eleito por unanimidade no Conselho escolhido pelos 1.500 delegados de 161 países presentes em Berlim para presidente da Confederação Sindical Internacional (CSI), entidade que representa mais de 180 milhões de trabalhadores e trabalhadores em todo o mundo. Na época, João Felício era secretário de Relações Internacionais da CUT e foi o primeiro brasileiro e latino-americano a presidir a CSI.

Skip to content