Mais de 5 mil crianças foram hospitalizadas com Covid-19 no Brasil; dados preocupam pais sobre volta às aulas

O retorno imediato para volta às aulas e a ideia de que os estudantes não podem perder o ano letivo, se torna cada dia mais presente no discurso de governos em todo o país, deixando claro que os mesmos desprezem os cuidados com a saúde e a vida de toda comunidade escolar.

Pais, mães professores(as), infectologistas e especialistas são contra um retorno imediato das atividades escolares, isso porque a curva de contaminação segue alta, deixando vítimas em todo o país e principalmente no Distrito Federal que atinge a marca dos 113.924 casos confirmados de COVID-19.

Se as crianças voltarem às aulas e forem contaminadas podem transmitir o vírus para o pai, a mãe, avós ou mesmo para os educadores. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD-C), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), cerca de 123,5 milhões de pessoas moram em domicílios que possuem pelo menos uma pessoa com idade até 17 anos, ou seja, em idade escolar. Leia abaixo. 

 

Mais de 5 mil crianças foram hospitalizadas com Covid-19 no Brasil; dados preocupam pais sobre volta às aulas

Boletim do Ministério da Saúde aponta que, entre os hospitalizados, 585 crianças e adolescentes faleceram em decorrência do novo coronavírus no país.

No Brasil, 5.331 crianças e adolescentes, entre 0 e 19 anos, foram hospitalizados com Covid-19, de acordo com boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. Entre elas, 585 não resistiram. 

Os dados vem causando preocupações na hora de discutir o retorno às salas de aula. Uma pesquisa feita pelo Instituto Datafolha mostra que 89% dos pais ou responsáveis por crianças defendem um modelo híbrido de ensino, que una a continuidade das atividades em casa ao retorno das aulas presenciais.

No Maranhão, os alunos de escolas particulares já voltaram às aulas, diferente dos alunos da rede pública, que ainda não têm uma data marcada. No Rio de Janeiro, o Ministério Público e a Defensoria Pública tentam impedir, junto a Justiça, o retorno das atividades escolares.

Em São Paulo, a volta às escolas está prevista para setembro, com turmas reduzidas. Em todo o mundo, 6 em cada 10 estudantes ainda não retornaram para as salas de aula. “Os pais que não se sentirem a vontade, nem seguros, de mandar as crianças de volta ou pais que têm filhos especiais, no sentido de ter alguma doença autoimune, algum tratamento, crianças mais vulneráveis, essas têm que ter o direito a não retornar à escola”, opina a infectologista do Instituto Emílio Ribas, Rosana Richtmann.

 

Reprodução: Cultura Uol 

 

Skip to content