Live comemora Dia do Orientador Educacional

No dia 4 de dezembro é comemorado o Dia do Pedagogo(a) Orientador(a) Educacional. Diante de uma data tão importante, nesta terça-feira (02), o Sinpro realizará live em homenagem ao(à) orientador(a). O evento será às 17h30.

Na programação, música de qualidade, com a cantora Carliane Alves; debate sobre a reforma da Previdência, com o diretor do Sinpro-DF Cláudio Antunes; e a palestra “O Eu e o Outro, Limites Necessários”, com a psicóloga Luciane Kozics. A live ainda contará com a participação de várias outras pessoas da categoria, vídeos comemorativos e tira-dúvidas.

O(a) orientador(a) tem um importante papel dentro da escola. Ao lado do(a) diretor(a), do(a) coordenador(a) pedagógico(a), do professor(a) e demais membros da equipe escolar, é parte integrante da gestão escolar e um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento integral de cada estudante, contribuindo para a formação de um cidadão crítico e participativo na sociedade, como também preparando para o mundo do trabalho.

 

Ainda há muito que lutar

O diretor do Sinpro Luciano Matos lembra que mesmo diante da convocação de quase 700 orientadores(as) e mais 500 nomeações, ainda temos unidades de ensino sem nenhum profissional da área. Nesta pandemia da COVID-19 e com as aulas remotas, ressalta Luciano, ficou confirmada a relevante contribuição desse profissional, ao lado do(a) diretor(a), do(a) coordenador(a) pedagógico(a), do professor(a) e demais membros da equipe escolar. É bom lembrar que o governo do DF não nos dá as condições adequadas para o desenvolvimento dos trabalhos, para que possamos dar o suporte necessário aos estudantes e família, contribuindo assim para a busca e permanência no ensino remoto, colaborando para o desenvolvimento do ensino aprendizagem dos estudantes.

“Outro ponto que cabe destacar é que a sobrecarga de trabalho vem ocasionando o adoecimento desses profissionais. Por isso, a nossa luta histórica continua na defesa de um orientador para cada 300 alunos, com o objetivo de desenvolvermos um trabalho humanamente possível, evitando assim a diminuição do adoecimento/afastamento desses profissionais devido ao excesso de trabalho”, lembra. “Temos a clareza que isso só será possível com mais concurso público. Cabe relembrar que foi no governo Agnelo Queiroz que conseguimos, com diálogo e luta, a ampliação dos cargos de 600 para 1.200 (Plano de Carreira, Lei 5.105/13). A partir desse momento, tornou-se viável o concurso de 2014, e com as nossas lutas e mobilizações do Sinpro e das(os) concursadas(os) foi determinante para que houvesse as convocações e nomeações dos novos OEs. Uma grande vitória para os estudantes da Rede Pública de Ensino do DF”.

MATÉRIA EM LIBRAS

Skip to content