Gestor escolar – Um profissional que se desdobra a cada dia pela luta por uma educação de qualidade

12 de novembro, Dia do Gestor e da Gestora Escolar. Este(a) profissional da educação carrega uma grande importância dentro do universo escolar, que perpassa desde a necessidade de garantir o funcionamento absoluto da instituição como organização social, com foco na formação de alunos(as), à busca cada vez maior pela melhoria da aprendizagem, tudo isto mediado pelo respeito e pela aplicação das boas práticas educacionais.

É papel do gestor a aplicação nas práticas corriqueiras da gestão escolar e na orientação dos projetos de trabalho e ações promovidas na escola, fundamentos, princípios e diretrizes educacionais consistentes, sempre de acordo com as demandas de aprendizagem e formação de alunos(as) como cidadãos e cidadãs. Diante disto, cabe ao(à) gestor(a) promover, na escola, o sentido de visão social do seu trabalho, como condição para garantir a qualidade na formação e aprendizagem dos estudantes.

Transferência de responsabilidade

Mesmo diante de um importante e fundamental papel na educação das futuras gerações, os(as) gestores(as) ainda tiveram que se desdobrar durante a pandemia da Covid-19, um dos períodos mais difíceis que o mundo passou, e ainda tem passado. Desde março de 2020, momento que isolamento social ganhou proporções mundiais, os(as) gestores(as) iniciaram um trabalho de orientação e esclarecimento com a comunidade escolar para garantir que o risco de infecção pelo novo Coronavírus fosse mínimo, e, posteriormente, criaram uma força tarefa para levar conteúdo pedagógico aos(às) estudantes que assistiam às aulas de casa, tendo que se desdobrar para não deixar o ensino parar em tempos de educação à distância. 

Até o dia de hoje, eles(as) têm trabalhado de forma presencial, permanecendo nas escolas como linha de frente, para garantir a educação, inclusive imprimindo material pedagógico e distribuindo cestas verdes. Além deste importante papel, em muitos momentos em que os(as) estudantes perdiam familiares, os(as) gestores(as) atuavam, também, como reforço e amparo psicológico para um momento de perda e de dor. Os(as) gestores(as) foram fundamentais na manutenção do elo com a comunidade escolar.

Dificuldades tecnológicas, falta de estrutura, má vontade do governo do DF, nada disto assustou ou impediu que os(as) gestores(as) conduzissem seu trabalho da melhor forma, mesmo diante de críticas feitas pelo GDF, espantem-se, de não trabalharem no período da pandemia. O argumento é uma mescla de ignorância, no sentido de desconhecer o quanto todos(as) trabalharam neste período, e crueldade/injustiça, fazendo uma transferência de responsabilidade, como se os gestores não estivessem realizando seu trabalho, mesmo sendo da Secretaria de Educação.

A importância destes(as) profissionais é gigante e dentro da Gestão Democrática, os(as) gestores(as) são atores(as) fundamentais na busca por uma educação de qualidade. 

Mas muito maior que as injustiças está a valorização e o agradecimento por estes profissionais, que a cada dia mostram que a educação muda vidas, contextos e o futuro de gerações. Como dizia Anísio Teixeira, “só existirá democracia no Brasil no dia em que se montar no país a máquina que prepara as democracias. Essa máquina é a da escola pública”.

Parabéns, gestores(as) escolares!