GDF impede estudantes de irem à escola e põe PM para reprimir ato contra decisão

Estudantes do Ensino Médio da rede pública, residentes na Cidade Estrutural, poderão perder o ano escolar por falta de transporte. Uma decisão do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) ordenou a Secretaria de Estado da Educação do DF (SEEDF) a suspender, em até 90 dias, o transporte escolar que atende a 3.826 estudantes, dos quais 706 estudam no Guará.
A SEEDF já suspendeu o transporte do Cruzeiro e, os do Guará, ficarão sem o transporte em agosto, quando voltarem do recesso. A decisão não afeta os estudantes que moram na zona rural. A medida do TCDF causou revolta entre os (as) estudantes que necessitam do transporte. Eles e elas se organizaram e realizaram, na sexta-feira (17), um ato público contra a retirada dos ônibus. Porém, a polícia massacrou de forma violenta a manifestação. Além de jatos d’água e outros recursos violentos, policiais deram tiros em vários estudantes.
“A polícia fez isso porque eles e elas são jovens da periferia. Eles e elas têm direito de manifestar e denunciar o abuso do GDF sim”, afirma Vilmara Carmo, diretora da Secretaria para Assuntos e Políticas para Mulheres Educadoras do Sinpro-DF. A diretora informa que a manifestação era acompanhada pelos pais dos (as) estudantes, que tentaram interceder pelos (as) filhos (as), esclarecendo o motivo da manifestação. Mas nem assim a polícia se conteve.
“O GDF quer economizar nas contas públicas retirando direitos dos (as) estudantes. O Estatuto da Criança e do Adolescente é muito claro: a escola tem de estar na comunidade, próxima à casa do (a) estudante. O problema é que não existe escola nem de Ensino Médio na Estrutural. Assim, se não tem escola, o governo tem de providenciar o transporte. Agora, por causa da política do choque de gestão, o GDF alega que há transporte coletivo para a população, porém, o transporte coletivo na Estrutural é insuficiente para isso. Ao retirar o ônibus escolar, o governo retira também o direito ao acesso à educação”, esclarece.