GDF apresenta nova proposta aos servidores da Educação

Em reunião realizada nesta terça feira (20) com a CUT, Sindicato dos Professores – Sinpro e Sindicato dos Trabalhadores em Educação – SAE, o GDF propôs pedir o adiantamento da receita orçamentária para quitar, de uma só vez, a dívida com os servidores da Educação. A proposta, entretanto, depende do aval da Câmara Legislativa, que voltará aos trabalhos no dia 3 de fevereiro.
Segundo o chefe da Casa Civil, Hélio Doyle, caso a opção de adiantamento não for aceita, não há possibilidade de parcelar os atrasados em três vezes, como propôs os representantes dos trabalhadores. Doyle ainda disse que o adiantamento da receita orçamentária, caso saia, é uma solução imediata e que traria danos futuros para os cofres públicos.
O secretário de Relações Institucionais do GDF, Marcos Dantas, afirmou que é importante a CUT e os sindicatos filiados ajudarem o GDF a pressionar os parlamentares para que o adiantamento seja aprovado. “A gente sabe muito bem que o parlamento funciona sob pressão, e essa ajuda de vocês é muito válida”, afirmou.
Caso a Câmara não aceite o pedido do Governo do Distrito Federal, a proposta do governo é de manter o parcelamento da dívida em oito vezes, como apresentado anteriormente anteriormente, e fazer a correção das parcelas atrasadas pelos índices de poupança. A proposta de parcelamento em oito vezes foi repudiada unanimemente pelos representantes dos trabalhadores da Educação.
A diretora do Sindicato dos Professores – Sinpro-DF, Rosilene Corrêa, abordou a situação da rescisão de contrato dos professores temporários que, para ela, “estão em situação ainda pior do que os demais profissionais, pois estão desempregados e se tiverem as férias divididas receberão uma quantia irrisória”.
Segundo o GDF, a rescisão dos contratos temporários soma uma dívida de aproximadamente R$ 50 milhões. O chefe da Casa Civil, Hélio Doyle, afirmou que não poderia dar a resposta imediatamente e que seria necessário fazer alguns cálculos, mas adiantou que o valor é muito alto e que a possibilidade dos temporários serem contemplados de uma só vez é muito pequena.
Ao fim da reunião, foi definido que os trabalhadores vão manter diálogo e negociação permanentes com o GDF até que a Câmara retorne e haja resposta em relação ao adiantamento de receita.

Skip to content