Força da oposição embarreira andamento da reforma da Previdência; pressão continua dentro e fora da Câmara

    O resultado da reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (17) mostra que o governo não tem uma base de apoio consolidada e que a aprovação do relatório da reforma da Previdência não será fácil para os aliados a Bolsonaro. Mais ainda: mostra que a oposição está firme e unida em defesa da Previdência Social.

    Em um processo conturbado desde o início, entre tentativas de verdadeira “mutilação” do regimento interno da Câmara e manobras ardilosas de parlamentares associados a banqueiros, a oposição garantiu que a votação do relatório do deputado Marcelo Freitas (PSL-MG) sobre a reforma da Previdência (PEC 006/2019) fique para a próxima terça-feira, dia 23.

    Durante a reunião a CCJ desta quarta, em que deputados da base do governo tentaram vetar até cartazes com dizeres contra a reforma da Previdência, a deputada Maria do Rosário (PT-RS) chegou a dizer que, para os aliados de Bolsonaro, “o regimento (da Câmara) parece algo móvel de acordo com o freguês”.

    Para a deputada federal Erika Kokay (PT-DF), o resultado da reunião da CCJ é uma “vitória do Brasil e do povo brasileiro”. “Nós, mulheres da esquerda, ocupamos a mesa diretiva da CCJ para impedir que o trator do mercado financeiro, do Francischini e do Maia passasse por cima do direito do povo à aposentadoria”, disse a deputada pelo Twitter.

    “Governo tentou atropelar regimento (da Câmara) hoje, relator sumiu, base tremeu e nós vencemos mais uma”, twittow o deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR).

    “Essa é uma matéria da mais alta relevância, da mais alta importância, que mexe com a vida das pessoas. Vamos fazer de tudo para não deixar votar”, afirmou a deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) em suas redes sociais.

    Manobra interrompida

    Para tentar acelerar a votação da PEC da reforma da Previdência, os parlamentares da base do governo abriram mão do tempo de discurso nas discussões da CCJ dessa terça-feira, artimanha que resultou na finalização dos debates e convocação da votação da proposta para esta quarta (17).

    Mas a tentativa foi prontamente rebatida pela oposição. Nesta quarta-feira (17), deputadas e deputados que integram CCJ e defendem a Previdência Social chegaram à Casa de madrugada para garantir os primeiros lugares na fila de apreciação de requerimentos. Foi o caso da deputada Erika Kokay (PT-DF). A parlamentar chegou à Câmara às 4h40, mais de 5 horas antes do início da sessão da CCJ, agendada para 10h.

    A resistência da oposição se manteve firme durante toda sessão, com intervenções, questionamentos, contraposições às tentativas de “tratoramento” do presidente da CCJ, Felipe Francischini (PLS-PR).

    Pressão não deve parar

    Embora duas consecutivas vitórias da oposição na CCJ da Câmara dos Deputados, os riscos de aprovação da reforma da Previdência são iminentes. Por isso, a CUT Brasília convoca toda a classe trabalhadora para intensificar a pressão contra a proposta de Bolsonaro, que inviabiliza as aposentadorias e retira direitos constitucionais, atingindo principalmente os mais vulneráveis, o que torna a PEC 006/2019 uma das mais cruéis desde a redemocratização do Brasil.

    “A gente não pode parar. Enquanto essa reforma da Previdência não estiver de uma vez por todas enterrada, a gente tem que lutar e lutar. É a nossa vida e a vida de milhões de brasileiros que está em jogo. A pressão tem que ser feita corpo a corpo e também pelas redes”, afirma o presidente da CUT Brasília, Rodrigo Britto.

    Uma das orientações da Central para barrar a reforma da Previdência é para que todas as trabalhadoras e todos os trabalhadores liguem, mande e-mails e mensagens nas redes sociais para os parlamentares que compõem a CCJ e se posicionaram indecisos ou favoráveis à reforma da Previdência.

    “Chamamos todos os trabalhadores e todas as trabalhadoras para irem à Câmara dos Deputados na próxima terça-feira, dia 23. Vamos mostrar que a população não vai deixar ter sua aposentadoria e seus direitos roubados”, conclama o presidente da CUT Brasília.

    Clique aqui para ter acesso à lista de todos os membros da CCJ. Ao clicar no nome do parlamentar, você verá o telefone, endereço e e-mail do deputado ou deputada. É fácil e rápido!

    Fonte: Vanessa Galassi, da CUT Brasília | Foto: Câmara dos Deputados