Em greve, rodoviários de três cooperativas do DF reivindicam pagamento de salário e benefícios

Trabalhadores da cooperativa de transporte público Viação Alternativa, que é responsável por oferecer serviços à população da cidade de Brazlândia, cruzaram os braços na manhã dessa quarta-feira (7), em virtude do atraso nos salários e benefícios referentes ao mês de dezembro, que deveriam ter sido depositados na conta dos rodoviários até a última segunda-feira (5). Além da Alternativa, outras duas cooperativas deixaram de circular pelo mesmo motivo.
A Cootarde, que atende as regiões de Samambaia e Santa Maria, está com as atividades paralisadas há dez dias, e a MCS, que é responsável pelo transporte público das cidades de Recanto das Emas, Samambaia, Guará I e II, Riacho Fundo II e Estrutural já completa seis dias com suas atividades suspensas.
Ao todo, aproximadamente 500 cobradores e motoristas estão prejudicados pelos atrasos, que são referentes ao auxílio cesta-básica, salário e 13°. Os patrões alegam não terem recebido parte da verba necessária para efetuar os pagamentos, que deveria ter sido liberada pelo GDF. De acordo com o Sindicato dos Rodoviários, a paralisação é por tempo indeterminado e continuará enquanto as pendências financeiras não forem solucionadas.

Skip to content