Em 24 horas, Brasil perde uma vida a cada 73 segundos para Covid-19

Entre segunda e terça foram registradas mais de mil mortes e o total de vidas perdidas aumentou para 17.971. Se aproxima de 272 mil o total de pessoas contaminas e país já é o 3º do mundo com mais casos.

O número de brasileiros mortos pela Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, alcançou a terrível marca de 18.860 na noite  desta quarta-feira (20), segundo dados das secretarias estaduais de Saúde. Mais de 291.579 casos foram confirmados em todo o país.

Na entrevista coletiva dada no final desta terça-feira (19), o Ministério da Saúde havia contabilizado 271.628 casos e 17.971 mortes. De segunda-feira (18) para esta terça (19), foram 1.179 mortes em apenas um dia. Outras 3.319 mortes ainda estão sob investigação.

No ranking mundial da tragédia, que registra 4.922.137 casos confirmados e 323.855 mortes, os Estados Unidos estão em primeiro lugar, com 1.528.661 casos e 91.938 mortes; seguido de Rússia, com 308.705 casos e 2.972 mortes.

Em terceiro, o Brasil tem menos casos que a Rússia, mas tem mais de 6 vezes o número de mortes.

 

Medidas restritivas

As medidas restritivas para reduzir a circulação de pessoas para reduzir a taxa de contágio no país vão desde a simples recomendação para as pessoas ficarem em casa, o que não adiantou, ao lockdown, confinamento obrigatório, em alguns casos com penas que podem ser de prisão ou pagamento de multas. Em São Paulo, o prefeito Bruno Covas (PSDB) tentou um rodízio mais duro e fechamento de grandes avenidas que pioraram o trânsito e lotaram os transportes públicos. Hoje, entra em vigor nova tentativa, o feriadão de cinco dias. 

O governador do estado de SP, João Doria (PSDB), encaminhou projeto de lei que deve ser votado nesta quarta na assembleia, antecipando o feriado de 9 de julho para esta segunda-feira (25).

O isolamento ou distanciamento social é a única maneira de prevenir o vírus, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma vez que não existe medicamento nem vacina.

 

Lockdown

Mas, em pelo menos 11 estados os governadores foram mais incisivos e decretaram o lockdown, isolamento social mais restrito: Amapá, Maranhão,  Pará, Tocantins, Ceará, Pernambuco, além de cidades do Amazonas, do Mato Grosso do Sul, do Paraná, do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Norte. O Amapá foi o único, até o momento, a decretar a medida em todo o estado.

Os governadores dos estados de SP e do Rio de Janeiro, os mais afetados pela pandemia, ainda discute se adora ou não o confinamento obrigatório que conteve a disseminação do vírus em países como Itália, Espanha e Franças.

O Sindicato dos Servidores de Saúde do Rio Grande do Norte entrou na Justiça para implementação do lockdown em Natal, mas foi o pedido foi negado. A cidade de Itaú, que tem pouco menos de 6 mil habitantes, no sertão potiguar, porém, decretou a medida restritiva após um surto de Covid-19 iniciado em uma casa de jogos clandestina frequentada por moradores da cidade e da região.

O Piauí decretou lockdown parcial em todo o estado durante os dias 15, 16 e 17 de maio. A medida proibia a comercialização de bebidas alcoólicas, abertura de supermercados, comércios e suspensão do transporte intermunicipal de ônibus e vans.

Bahia, Paraíba e Alagoas não decretaram lockdown, mas implementaram outras medidas restritivas. No estado da Paraíba, desde o dia 16 de maio, o transporte intermunicipal foi suspenso e as estradas na região metropolitana tem barreira sanitária. Em Alagoas, o acesso às praias, calçadões à beira-mar, orlas de rio, lagoas e praças estão proibidos até esta quarta-feira (20). Na Bahia, seis cidades decretaram toque de recolher à noite, entre elas Juazeiro, Alagoinhas, Valente, Curaçá, Itabuna e Ipiaú. A capital baiana decretou regras mais rígidas em quatro bairros.

 

Sudeste

São Paulo é o estado com o maior número de casos confirmados e de mortes pela covid-19, com 65.995 infectados e 5.147 óbitos, mas registra baixa adesão ao isolamento social. Nessa terça-feira (19), o índice estava em 49%, segundo monitoramento do governo paulista.

 

Norte

O Amapá foi o primeiro do país a decretar lockdown no estado inteiro. A medida começou nessa terça-feira (19) e tem validade inicial de dez dias. Também foi determinado um rodízio no qual veículos com placas pares e ímpares circulam em dias alternados em Macapá, capital do estado.

O governo do Pará decretou lockdown na capital Belém e em mais dez cidades do estado. A medida entrou em vigor no dia 7 de maio e foi prorrogada até 24 de maio. Os municípios escolhidos para o isolamento restrito têm números de casos da covid-19 acima da média estadual, que é de 51 casos a cada 100 mil habitantes. Esses 11 municípios estão com pelo menos 75 casos a cada 100 mil habitantes.

No estado do Amazonas, primeiro a registrar o colapso no sistema de saúde, só as cidades de Tefé, Silves, Barreirinha e São Gabriel da Cachoeira adotaram o bloqueio total de circulação de pessoas nas cidades. Está em vigor, no estado, a suspensão do funcionamento de estabelecimentos comerciais e de serviços não essenciais até o dia 31 de maio, uso obrigatório de máscara e multas – de R$ 50 mil ao dia para empresas – em casos de descumprimento das determinações.

Em Roraima, apenas o município de Bonfim, no norte do estado, está em lockdown desde o dia 11 de maio. O bloqueio está previsto para acabar nesta quarta-feira (20).

No Acre, entre 18 e 31 de maio, haverá rodízio de veículos no perímetro urbano da capital, Rio Branco.

 

Sul

No Paraná, apenas a cidade de Campina Grande do Sul, localizada na região metropolitana de Curitiba, decretou lockdown até o momento. São 15 dias de bloqueio, contados a partir do dia 13 de maio, em três bairros da área rural do município de pouco mais de 43 mil habitantes.

O Rio Grande do Sul implementou outro modelo de distanciamento social. Nele, o estado foi dividido em 20 regiões que passam a ser classificadas por quatro bandeiras diferentes: amarela, laranja, vermelha e preta. A classificação leva em conta a propagação da doença e a capacidade do sistema de saúde em cada região. Apenas a região de Lajeado tem bandeira vermelha, que proíbe comércio de rua e shoppings.

 

Centro-Oeste

Na região Centro-Oeste, apenas a cidade de Guia Lopes da Laguna, no Mato Grosso do Sul, adotou medidas mais restritivas. Localizada a 234 km da capital Campo Grande, o decreto de lockdown está em vigor desde o dia 7 de maio e vai até o dia 23. O município tem a maior incidência da doença no estado – 900 casos a cada 100 mil habitantes.

Com informações da Agência Brasil e BdF

 

Reprodução CUT

Skip to content