Educadores brasileiros repudiam os ataques à democracia e às instituições proferidos pelo presidente Jair Bolsonaro

A CNTE se manifesta de forma estarrecida ao chamamento de Jair Bolsonaro a uma manifestação social contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal.

banner site cnte 2019 banners nota publica

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, entidade representativa dos/as profissionais da educação básica do setor público brasileiro, toma conhecimento, de forma estarrecida e indignada, do chamamento do Presidente da República do Brasil a uma manifestação social que tem como principal bandeira o fechamento do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal. Trata-se de uma convocação feita por grupos fascistas para o próximo dia 15 de março, em que assumem, de forma explícita, o seu viés golpista e autoritário.

Um presidente da República que, ao tomar posse, jurou lealdade e cumprimento irrestrito à Constituição Federal, não pode jamais conspirar contra os poderes instituídos e tampouco insuflar a sociedade contra a autoridade e legitimidade de suas instituições. As críticas que temos ao papel sabujo e conspirador contra os direitos sociais dos/as brasileiros/as, protagonizado por este Congresso Nacional que já aprovou várias reformas que tanto mal fizeram ao conjunto da sociedade, não podem nunca se confundir com qualquer tentação autoritária de atacar e ferir de morte a nossa democracia. A democracia não é perfeita, mas é o melhor sistema que construímos ao longo da história da humanidade. Pelo menos até os dias de hoje. E um parlamento forte e um judiciário autônomo são fundamentais para um bom regime democrático.

Os ataques recorrentes à democracia feitos pelo principal mandatário da nação não podem e tampouco devem ser subestimados! Estamos fartos desse boquirroto que chegou à presidência! Suas falas destemperadas demonstram cada vez mais o seu isolamento político. Até setores expressivos dos militares, dos quais ele se cercou nos últimos tempos, já não aguentam tanta irresponsabilidade.

Só as ruas podem frear o destempero que estamos a presenciar em Brasília nos dias que se passam! E se o presidente da República convocou os seus para o dia 15, é fundamental que a resistência organizada do país, que une todos e todas que comungam ainda de alguma consciência democrática, respondam à altura e demonstrem a toda sociedade o isolamento cada vez maior desse que não honra o cargo que ocupa. Por isso, os/as educadores/as brasileiros/as conclamam todos/as a ocupar as ruas do Brasil no próximo dia 08 de março, Dia Internacional da Mulher; dia 14 de março, em que rememoraremos os dois anos de absoluta impunidade do assassinato de Marielle Franco pelas milícias do Rio de Janeiro (e quiçá de Brasília também); e dia 18 de março, dia da Greve Geral da Educação, que tem tudo para se transformar em mais um dia vitorioso de Greve Geral de todas as categorias de trabalhadores no Brasil!

Esse calendário de mobilizações é um esforço do conjunto da sociedade civil brasileira, em que estão incluídos importantes segmentos do movimento sindical e sociais do país, para propor ações de resistência aos desmandos e ataques do atual governo brasileiro à democracia. Em defesa dos princípios mais caros e legítimos da humanidade que lutamos hoje! Para honrar aqueles que, em um passado não muito distante, tombaram por acreditar na democracia e por ela não hesitaram em lutar!

Brasília, 27 de fevereiro de 2020

Direção Executiva da CNTE

Skip to content