Debate Religiosidade de Matriz Africana abre série de lives no Mês da Consciência Negra, nesta sexta (6)

No Mês da Consciência Negra, o Sinpro-DF preparou uma série de debates virtuais para valorizar as culturas de matrizes africanas e promover reflexões sobre a realidade imposta à população negra. A live Religiosidade de Matriz Africana, agendada para esta sexta (6), será o primeiro da série de quatro debates. A atividade começa às 19h e será transmitida pelos canais do Sinpro-DF no Facebook, Instagram e Youtube, além da TV Comunitária.

“O mito da democracia racial, que convence grande parte dos brasileiros, ainda impede que muitos façam uma leitura crítica do abismo social, educacional e cultural que foi imposto ao povo negro desde o período colonial do nosso país até os dias de hoje; e conhecer e reverenciar a história de luta dos nossos ancestrais como Zumbi dos Palmares e Dandara, símbolos da resistência negra, nos inspira e nos fortalece para continuar na luta por mais políticas públicas que garantam a maior presença do povo negro no mercado de trabalho, nos espaços de poder, nas escolas e universidade, bem como a efetiva aplicabilidade das leis do racismo, o respeito à cultura e a história do nosso povo”, diz a diretora de Assuntos de Raça e Sexualidade do Sinpro-DF Marcia Gilda Moreira para justificar a atividade proposta pelo Sinrpo-DF.

Para debater o tema da religiosidade de matriz africana foram convidados o professor adjunto do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília Nelson Fernando Inocencio Silva, que também é membro do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UnB; e a pedagoga, alfabetizadora, candomblecista e servidora pública municipal de Valparaíso de Goiás Mariângela de Mendonça. A mediação do debate será realizado pela também diretora de Assuntos de Raça e Sexualidade do Sinpro-DF Ana Maria Machado.

Professoras (es) sindicalizadas (os) que tiverem pelo menos 75% de presença na série de lives terão direito ao certificado de participação. A cada debate será disponibilizado um link exclusivo a quem for sindicalizado para que se possa fazer o registro da presença.

Veja abaixo o calendário completo da série de lives do Sinpro-DF no Mês da Consciência Negra

06/11 | Sexta-feira
Religiosidade de Matriz Africana

Debatedoras (es):
Mariângela de Mendonça – pedagoga, alfabetizadora, candomblecista e servidora pública municipal de Valparaíso de Goiás

Nelson Inocêncio – professor adjunto do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília e membro do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros da UnB

Mediação: Ana Cristina Machado (Sinpro-DF)

11/11 | Quarta-feira
Educação Antirracista (A Importância da Literatura na construção da Identidade de Raça)

Debatedoras (es):
Thaís Rocha – mestranda em História Social pela UnB e professora de História d

a Secretaria de Educação do DF na regional de Planaltina

Marcos Lopes Reis – professor da Secretaria de Educação do DF, escritor, contador de histórias e pesquisador das relações étnico-raciais no contexto escolar. Vencedor do 5º prêmio educar para igualdade racial do CEERT em 2010, com o projeto Orgulho e Consciência Negra

Mediação: Letícia Vieira Bento (Sinpro-DF)

18/11 | Quarta-feira
Violência e a População Negra no Brasil

Debatedoras:
Vilma Reis – Socióloga, Feminista, ativista do Movimento de Mulheres Negras do Brasil, mestra em Ciências Sociais, doutoranda em Estudos Africanos no PosAfro-UFBA, defensora de Direitos Humanos e co-fundadora da Mahin Organização de Mulheres Negras

Iêda Leal – pedagoga, especialista em Métodos Técnicas de Ensino pela Universidade Sa

lgado de Oliveira, ativista do Movimento Negro, secretária de Combate ao Racismo da CNTE e secretaria de Comunicação da CUT-GO

Anatalina Lourenço – cientista social pela UNESP, professora da rede pública estadual e municipal de São Paulo, ativista do Movimento de Mulheres Negras

Mediação: Márcia Gilda Moreira (Sinpro-DF)

27/11 | Sexta-feira
Sarau Culural

Programação:
Cristiane Sobral – escritora, poeta, atriz e professora de teatro

Tambor de Crioula – grupo consolidado por maranhenses que moram em Brasília, reverenciando o santo São Benedito e os Mestres da Cultura Popular do Maranhão, mantendo acesa a chama da ancestralidade cultural do Tambor de Crioula

Daíse Moreira – estudante, musicista e compositora

Meimei Bastos – escritora, poeta, mestranda em Culturas e Saberes em Artes Cênicas pela UnB, educadora, atriz e coordenadora do Slam Q’BRADA e do Campeonato de Poesia Falada do DF & Entorno

 

Skip to content