CUT solicita reunião com novo governador do DF

A Central Única dos Trabalhadores – CUT solicitou, em caráter de urgência, audiência com o novo governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, eleito nas últimas eleições, para tentar solucionar as pendências salariais dos servidores públicos do GDF. O pedido foi protocolado no anexo do Palácio do Buriti, nesta segunda-feira (5).
Desde o fim do ano passado, servidores da saúde e da educação aguardam o pagamento do 13º salário dos aniversariantes do mês de dezembro. As férias das categorias, que deveria ter sido paga no dia 2 de janeiro, também não foi creditada nos contracheques dos trabalhadores.
O salário dos servidores referente ao mês de dezembro também corre o risco de não ser pago em dia. Em pronunciamento público, a Agência Brasília, órgão oficial de comunicação do GDF, afirmou que “errou ao informar que o pagamento dos salários dos servidores do Governo do Distrito Federal está garantido para 8 de janeiro, uma vez que isso depende das condições orçamentárias e financeiras”.
“A CUT, apostando no diálogo com o novo governo, acredita que, nas próximas horas, será agendada reunião para solucionar a demanda dos servidores da educação e da saúde. Esperamos que o GDF valorize a prática da boa negociação ao invés do conflito com a classe trabalhadora”, afirma o presidente da CUT Brasília, Rodrigo Britto.
Trabalhadores terceirizados
Além dos servidores da educação e da saúde, trabalhadores terceirizados de quatro empresas que prestam serviço nessas áreas também estão com verbas remuneratórias atrasadas. A falta de pagamento vai desde vale-transporte e vale-alimentação até 13º salário e férias.
A CUT também pretende discutir o assunto junto ao GDF para conseguir solucionar efetivamente o problema que se estende desde o ano passado. Devido a falta de pagamento, trabalhadores terceirizados de diversos setores paralisaram as atividades.
A categoria realizará assembleia geral na próxima quarta-feira (7), no estacionamento do Teatro Nacional, para debater esses problemas e discutir os desdobramentos da Campanha Salarial 2015.
Fonte: CUT Brasília

Skip to content