CUT e sindicatos filiados esclarecem população sobre mobilização dos servidores

Os servidores da saúde e da educação, apoiados pela CUT e por várias outras categorias de trabalhadores, foram às ruas nesta terça-feira (13) explicar à população o motivo da mobilização dos servidores, além de alertar sobre o iminente risco de paralisação dos trabalhos. Seguindo agenda aprovada em Plenária da CUT e dos sindicatos filiados, no último dia 9, os trabalhadores realizaram ato na Ceilândia e no Gama.
De acordo com o dirigente da CUT Brasília, Julimar Roberto, os atos foram “expressivos e mostraram à sociedade a necessidade de se valorizar a saúde e a educação”. “A dívida é do GDF. Independente se essa crise começou nesta gestão ou na anterior, é o governo atual que tem que dar conta das responsabilidades com os servidores”, discursou Julimar Roberto.
Nas duas ações, um carro de som percorreu as ruas dos centros das cidades informando aos cidadãos que os servidores da saúde e da educação estão sem o pagamento das férias, do 13º salário e, no caso dos professores em contrato temporário, sem o pagamento da rescisão contratual.
O esclarecimento também foi feito por nota aberta. O material foi distribuído aos pedestres e motoristas que circulavam próximo à manifestação.
“A CUT tem percorrido todas as cidades do DF fazendo este trabalho de esclarecimento. É importante que a sociedade saiba que os servidores não serão os culpados por uma possível paralisação dos trabalhos. Amanhã estaremos em Planaltina”, informa o dirigente da CUT Brasília e professor da rede pública de ensino, Rodrigo Rodrigues.
Outros atos serão divulgados no site da CUT Brasília, em breve.
>> Leia também
Sem proposta, classe trabalhadora amplia mobilização
GDF não cede e classe trabalhadora instala acampamento na Praça do Buriti

Skip to content