Correios atacam e trabalhadores podem paralisar a partir da próxima terça (7/8)

Em mais uma rodada de negociação sobre a Campanha Salarial 2018/19, realizada nesta terça (31), a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) insistiu em apresentar uma proposta prejudicial baseada na retira de direitos. Diante disso, os trabalhadores realizam nova assembleia na próxima terça (7) e podem deliberar paralisação das atividades. O encontro acontece a partir das 18h, em frente ao edifício sede da instituição.
De acordo com o dirigente do Sintect-DF ― sindicato que representa a categoria ― Jovan Sardinha, a nova proposta da empresa oferece um reajuste salarial de 2,21%, um índice equivalente a 60% do INPC (Índice de Preços do Consumidor). A oferta anterior era de 1,58%. No entanto, junto ao pequeno aumento, vem uma série de agravantes.
Dentre os prejuízos, a ECT propõe o corte de benefícios, como o vale-cultura, por exemplo. O vale-alimentação seria reduzido apenas aos dias trabalhados. Atualmente, quem trabalha de segunda a sexta, recebe o valor proporcional a 26 dias e aqueles que laboram aos sábados, o equivalente a 30 dias.
A cláusula que dispõe sobre os acompanhantes de dependentes também seria alterada. Os seis dias de dispensa seriam reduzidos para apenas três, trazendo prejuízo ao trabalhador e ao auxiliado.
“Diante desses inúmeros retrocessos é possível que a categoria paralise as atividades a partir do dia 7 de agosto. Não podemos aceitar que aquilo que conseguimos com tanta luta seja retirado dessa maneira. Estaremos na luta até que sejam apresentadas propostas que atendam nossas reivindicações”, disse.

Skip to content