Congresso homenageia o sindicalista assassinado Chico Mendes

Historicamente, os congressos do Sinpro-DF debatem grandes temas de interesse da categoria relacionados aos governos local, federal e internacional, nas áreas relacionadas ao trabalho e à educação. No caso atual, a conjuntura é de grandes retrocessos, daí a tarefa dos participantes de apontar as demandas, os desafios e as lutas para o próximo triênio.

Esse debate chega à escola quando a categoria define os desafios que precisam ser enfrentados com maior urgência, a médio e a longo prazos. Este ano, o desafio está estritamente ligado aos problemas ambientais. A crise da água chegou no país. No Distrito Federal, o racionamento afetou a todos.

São os efeitos da exploração desenfreada dos recursos naturais da Terra para atender aos interesses de lucro dos grandes capitalistas. A crise ambiental inspirou o tema e a homenagem desta edição do congresso.  Assim, o 11º Congresso homenageia Chico Mendes e traz a água e o meio ambiente como tema.

Trata-se de um conteúdo que lidera a ordem mundial, a pauta de todas as políticas sociais e é pano de fundo de todo o debate político e econômico de todos os países do mundo. É um tema profundo que interfere em cada assunto relacionado ao ser humano, sobretudo no campo da educação, uma vez que esse é um tema no qual a categoria está inserta e se reconhece nele, podendo interagir e modificar situações de crises.

A pauta ambiental se conecta com vários mártires brasileiros e mundiais que lutou por uma sociedade mais justa, mas, em 2018, completam 30 anos do assassinato do sindicalista e seringueiro Chico Mendes. A homenagem do 11º Congresso das/os Trabalhadoras/es em Educação não poderia ser outra. Seringueiro e ativista ambiental, Mendes foi brutalmente assassinado, em dezembro de 1988, porque lutou em favor dos seringueiros da Bacia Amazônica, cuja subsistência dependia da preservação da floresta e das seringueiras nativas.

Na época, seu ativismo lhe trouxe reconhecimento internacional e, ao mesmo tempo, a ira de grandes fazendeiros e latifundiários locais que viviam e vivem até hoje da extração desenfreada e ilegal da madeira e dos minerais amazônidas. O tema remete ainda à pauta ambiental do DF este ano. No primeiro semestre, foram realizados o Fórum Alternativo Mundial da Água (Fama) e o Fórum Mundial da Água. O Concurso de Redação do Sinpro-DF abordou o tema da água.

Foto: Ecom

 

Skip to content