Comunidade carente recebe alimentos doados na Corrida do Sinpro

Durante a inscrição para a corrida do Sinpro, ocorrida no dia 30 de abril, o Sinpro arrecadou alimentos não perecíveis para doação a comunidades carentes. A categoria doou macarrão, arroz, feijão, fubá de milho, açúcar, farinha, e até mesmo farinha de trigo, que foram entregues a duas comunidades.

Uma das comunidades beneficiadas foi a Unidade Territorial Tradicional (UTT) Santuário de Maria Caminhar em Beleza (Terreiro da Vó Maria Conga), dirigido por Maria do Socorro Carneiro, a Maria Bonita do Cerrado, que recebeu as doações no Ponto de Cultura Muvida, na Vila Planalto.

“Recebemos as doações do Sinpro, que está sempre disponível para cuidar da sociedade, não só nas questões educacionais, como também nas questões urgentes, como a alimentação das pessoas”.

Da Esquerda pra direita, Fatinha Moraes, Wilna de Sá, Eliceuda França e Maria do Cerrado

 

Os alimentos serão divididos com as mulheres da Vila Planalto e com as famílias da região rural de Planaltina, próximo ao Vale do Amanhecer. Esses alimentos chegam para uma comunidade extremamente carente, que viu sua fome aumentar com a pandemia e a oferta de empregos reduzir drasticamente.

O Centro de Cultura Muvida trabalha com a arte e com a cultura, e também com a assistência a famílias carentes chefiadas por mulheres em situação de risco e vulnerabilidade na região de Planaltina, com comunidades quilombolas.

Sindicato cidadão

A doação foi realizada neste fim de semana pelas secretárias de Cultura do Sinpro, Eliceuda França e Fátima Moraes. “Entregamos [esses alimentos] com muito carinho, e a nossa luta continua, para que toda a sociedade tenha direito a trabalho e alimento”, disse Eliceuda.

Fatinha lembra à categoria que “esse alimento que você teve o carinho de doar vai para a mesa de 300 famílias. É a decisão que o Sinpro tomou, de salvar vidas, lutando pela vacina, lutando pela alimentação dos vulnerabilizados. Foi com esse fazer mais que viemos trazer esses alimentos”.