Coletivo de Gestão Democrática debate plano de retorno às aulas

O Sinpro-DF realizou, na última sexta-feira (12), uma reunião com os(as) gestores(as) das escolas da rede pública de ensino do Distrito Federal sobre o plano de retorno às aulas. O objetivo da reunião foi discutir o que o governo tem apresentado de compromisso com o plano estrutural de retorno. Durante toda a pandemia o Sinpro tem debatido com o governo que o retorno às aulas presenciais está condicionado à vacina aos(às) trabalhadores(as) em educação e à população em geral.

Um dos pontos debatidos foi quais as providências a Secretaria de Educação efetivamente têm tomado para resguardar e proteger a categoria, os estudantes e a comunidade escolar para o retorno às aulas, seja no ensino remoto ou no sistema híbrido, bem como o que tem chegado de orientação para as escolas.

Para o sindicato é importante que a SEE tenha um planejamento para o retorno virtual, uma vez que é compromisso do governo Ibaneis assegurar um retorno presencial somente com a vacina para todos(as) os(as) trabalhadores(as) em educação.

Além da preocupação com o retorno presencial, o retorno virtual também requer cuidados. É preciso que providências sejam tomadas para que não se repita a exclusão de milhares de estudantes, como ocorreu em 2020. Quais as ações estão sendo previstas para que todos os estudantes, sem exceção, acessem a plataforma com uma Internet de qualidade? Embora a categoria tenha se empenhado e reinventado sua prática docente para suprir as necessidades do ensino remoto e as direções de escola tenham assumido fortemente o compromisso com a comunidade escolar em tempo de pandemia, o ensino remoto em 2021 carece de um planejamento de recuperação para garantir o direito à aprendizagem e acesso à educação.

Um levantamento do alcance das aulas remotas em 2020 é imprescindível para o planejamento. Sendo assim, os (as) gestores(as) são fundamentais para que esses dados tenham mais transparência e apresentem a realidade de cada escola.

O ponto central consensuado durante o coletivo, que é a defesa do Sinpro e o mesmo entendimento dos(das) gestores(as) que participaram, é de que não há a menor possibilidade de um retorno presencial sem que os(as) trabalhadores(as) em educação estejam devidamente vacinados(as) e as escolas preparadas para cumprirem com os protocolos.

 

Quero voltar, vacina já

Como complemento da campanha pela vacinação de todos e todas, apresentamos na última sexta-feira (12) a nova etapa: Quero voltar, vacina já. A ideia é que todos(as) os(as) professores(as), orientadores(as) educacionais e estudantes tirem fotos com placas com as seguintes frases: PARA VOLTAR, QUEREMOS VACINA!; PARA PODERMOS VOLTAR, VACINA JÁ! QUEREMOS VACINA PARA VOLTAR! A orientação é que todos(as) postem nas redes sociais e marque o @sinprodf.

Não basta que professores (as), orientadores (as) educacionais e demais profissionais sejam vacinados(as) se a população não estiver imunizada. É importante a inserção dos(as) trabalhadores(as) em educação no grupo de prioridades. No entanto, o que realmente trará tranquilidade é a vacinação para toda a população.

 

 

 

 

 
MATÉRIA EM LIBRAS

Skip to content