CNTE participa de aula cidadã do CPERS

Milhares de educadores, alunos, pais e a comunidade escolar participaram, nessa segunda-feira (29/02), do Dia Nacional em Defesa da Educação Pública. O ato aconteceu em vários Estados do país, chamado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Em Porto Alegre, o CPERS/Sindicato reuniu milhares de educadores para a Aula Cidadã em frente ao Palácio Piratini, realizada após caminhada pelas ruas centrais da capital. Educadores dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Santa Catarina, Goiás, Paraná e Pernambuco reuniram-se para testemunhar o descaso e o desmonte da educação pública do Sul ao norte de nosso país.
Representando o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo – Apeoesp, a professora Francisca da Rocha Seixas relatou a luta dos educadores e alunos contra o autoritarismo do governador Geraldo Alckmin. “Foi necessário uma grande mobilização, onde a participação dos alunos e a comunidade escolar foi decisiva para barrarmos as ofensivas do governo. Nossa luta resultou na queda do secretário de Educação, além de impedimos a enturmação e o fechamento de escolas. O autoritarismo desses governos precisa ser enfrentado com muita resistência. Aqui no Rio Grande do Sul, ao que parece, o governo pretende impor o que o nosso governo tentou fazer. Lutem unidos e resistam. Contem conosco”, afirmou.
A professora e representante da CNTE, Marta Vaneli, em protesto ao desrespeito do governo Sartori com a educação, os educadores e os demais servidores públicos, ficou de costas para o Palácio do Piratini, ao fazer seu relato. “Um governo que não garante o direito dos servidores e cidadãos não merece o nosso respeito. Fico de costas para este governo. Hoje, estamos aqui com representantes de todo o país para denunciar o descaso com a educação pública. Somente juntos, unidos dentro e fora das escolas, vamos conseguir vencer aos ataques e ameaças”, afirmou.
A presidente da CUT de Minas Gerais e coordenadora-geral do Sind-UTE, Beatriz Cerqueira, ressaltou que o Brasil está passando por um momento de total desrespeito com a educação e tentativas incessantes de privatização das escolas públicas. “Nós, professores e funcionários de escola, estamos sofrendo de norte a sul. Nesse momento é fundamental nos unirmos, é incrível como um país como o nosso está perdendo investimentos como o Pré-sal, entregando recursos que são nossos”, constatou.
Luta, responsabilidade e unidade pela escola pública
A funcionária de escola representante do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná – AAP, Nádia Brixner, lembrou da forte repressão utilizada pelo governador Beto Richa contra os educadores em 2015. A violência utilizada contra a categoria foi noticiada em todo o país, tamanha a brutalidade. Nádia destacou que o enfrentamento ao governo só possível através da forte mobilização dos educadores, que conseguiram a adesão de 98% das escolas e o apoio da comunidade escolar. “Precisamos estar todos juntos embaixo desse guarda-sol que é o CPERS. Precisamos continuar lutando pela escola pública de qualidade, que é um direto de todos nós”, observou.
Na ocasião, presidente do CPERS, Helenir Aguiar Schürer, agradeceu o apoio e a participação dos pais na mobilização. “As mensagens de apoio foram muitas e ver famílias caminhando junto conosco nos prova que estamos no caminho certo”, disse.
Helenir declarou que a paralisação de hoje foi significativa e que a categoria precisa continuar unida e mobilizada para decidir os novos rumos do Magistério gaúcho. “Como em toda aula, deixo aqui um tema de casa para todos: construir a greve chamada pela CNTE nos dias 15,16 e 17 de março e mobilizar a categoria para a nossa Assembleia Geral, dia 18 de março, quando decidiremos juntos se vamos ter uma greve por tempo indeterminado. É fundamental também orientar, informar e mobilizar os pais, os alunos e toda a comunidade escolar, alertando sobre as razões da nossa luta”, afirmou.

Skip to content