Caderno de Educação traz artigo sobre a previdência e as mudanças demográficas

Capa_CadernoEducação_n25O debate sobre a Previdência tem-se tornado cada vez mais recorrente no Brasil e no mundo. Há muito mais de 100 anos esse assunto é discutido em todo o mundo, ainda que a intensidade do debate e das mudanças ocorra em maior ou menor intensidade, dependendo da nação e da situação em curso.
“Contudo, dificilmente uma sociedade moderna escapa dessa questão”, sentenciam Paulo Tafner, Carolina Botelho e Rafael Erbisti, autores do artigo “A previdência e as mudanças demográficas” – publicado na edição número 25 do Caderno de Educação da CNTE, cujo tema foi o “Direito à Aposentadoria”, entre julho e dezembro de 2013.
No artigo, os autores relatam as mudanças demográficas relacionadas à Previdência Social e contam que as reformas previdenciárias tiveram início na década de 1970, nos países desenvolvidos, mas, na grande maioria, o processo de ajustamento vem-se estendendo por todo o período, até hoje.
Os autores contam que, na América Latina, as reformas iniciaram-se na década de 1980 e, desde então, mais de uma dezena de países passou por reformas em seus sistemas previdenciários. Todas as reformas neoliberais que vêm ocorrendo na América Latina começaram no Chile desde a década de 1970, com a derrubada e assassinato do ex-presidente Salvador Allende.
O Chile se tornou um dos primeiros “laboratórios” das políticas neoliberais na América Latina. Foi o primeiro país a executar a reforma da previdência, em 1981. Em seguida, as reformas se estenderam para Peru (1993),Colômbia (1994), Argentina (1994), Uruguai (1996), Bolívia (1997), México (1997), Brasil (1998 e 2003), El Salvador (1998), Nicarágua (2001) e Costa Rica (2001).
Confira aqui a influência da previdência nas questões demográficas.

Skip to content