Assembleia geral com paralisação, dia 26 de junho

Professores(as) e orientadores(as) educacionais se reunião em assembleia geral com paralisação no próximo dia 26 de junho. O encontro será às 9h, no estacionamento da Funarte.

Essa será a quarta e última assembleia do semestre, que antecede o recesso escolar do meio do ano e a segunda leva de nomeação dos(as) aprovados(as) no último concurso do magistério. Na Mesa de Negociação Permanente – garantida com a Greve da Educação de 2023 –, o GDF anunciou a nomeação de 1.600 professores(as) e 40 orientadores(as) educacionais até o dia 29 de maio. Os demais aprovados(as) serão nomeados(as) até o final de agosto.

Na assembleia no dia 26, a categoria do magistério público intensificará a luta da Campanha Salarial, que traz a reivindicação de reajuste salarial imediato de 19,8%, rumo a meta 17.

 

 

O índice de 19,8% repõe as perdas inflacionárias geradas de janeiro de 2019 a dezembro de 2023. Já a meta 17 do PDE (Plano Distrital de Educação) equipara o vencimento básico de professores(as) e orientadores(as) educacionais à média da remuneração das demais carreiras de servidores públicos do DF de escolaridade equivalente. Com isso, o reajuste da remuneração da categoria superaria o índice de 67%.

Também estão na pauta da assembleia o cumprimento integral do acordo de greve, assinado em 2023, e da pauta de reivindicação atualizada da categoria (Acesse aqui a pauta de reivindicações).

Na assembleia do dia 26 de junho, professores(as) e orientadores(as) educacionais, novamente, denunciarão e exigirão soluções para situações inaceitáveis que fazem parte do dia a dia das escolas públicas. Entre elas, merenda com larvas e cardápio sem variedade de produtos alimentícios; superlotação das salas de aula; ensino inclusivo sem qualquer suporte; escolas sem condições mínimas de infraestrutura; pane no sistema que dá acesso ao Diário de Classe; omissão à violência contra professores(as) e orientadores(as) educacionais em exercício.

A categoria do magistério público avalia que a política antieducação do governador Ibaneis Rocha e de sua vice, Celina Leão, já ultrapassou todos os limites. Professores(as) e orientadores(as) educacionais não tolerarão mais o descaso e os desmandos com a categoria e com o povo do DF.

O Sinpro reafirma que a unidade e a mobilização da categoria são imprescindíveis para avançar em mudanças e conquistas. Para o sindicato, o momento é descaso com a educação: ao mesmo tempo que mostra o caos na educação, impõe à categoria um governador que tem como legado a menor despesa total de pessoal da história.

Para que professores(as) e orientadores(as) educacionais de todo DF possam participar em peso da assembleia, o Sinpro disponibilizará ônibus saindo de várias regiões administrativas. Lista será divulgada em breve.

 

MATÉRIA EM LIBRAS