Por administrador em 10/set/2014

Resultado do Ideb aponta que educação precisa dos recursos do pré-sal



A educação brasileira melhorou nos últimos anos. Na mais recente avaliação do Ideb, o ensino em algumas regiões do país desenvolveu mais, em outras menos. De forma geral, desde que as primeiras metas foram traçadas, em 2007, os índices da educação pública estão melhorando.

O que ficou claro é que sem os recursos do pré-sal, os 10% do PIB para a educação (que estão listados como prioridades no PNE), a educação pública não avança na velocidade e no tempo que o povo brasileiro necessita.

Distrito Federal

No Distrito Federal, nós tivemos avanços significativos nos três níveis de ensino. Hoje o DF possui várias escolas que já atingem a nota 6, média estabelecida pela OCDE. Nos anos iniciais do ensino fundamental, as escolas melhoraram suas notas e atingiram a meta planejada de 2013. Nos anos finais, a média também subiu, porém sem alcançar a meta. Já no ensino médio, as médias foram mantidas e permanecem abaixo da meta planejada.

Isso reflete que o DF precisa aprovar com urgência, ainda neste ano, o Plano Distrital de Educação, no qual a categoria e a comunidade já manifestaram a necessidade de investimentos robustos para qualificar a educação pública do DF.

Hoje, diferentemente de alguns anos atrás, o DF possui escolas com médias consideradas altas, que já não estão mais concentradas na região administrativa do Plano Piloto. No entanto, destacamos a EC 106 Norte, que obteve a nota 7,6, a maior dentre as séries inicias do ensino fundamental.

Mas importante registrar que escolas localizadas em regiões periféricas do DF também conseguiram notas consideradas altas, como em Samambaia, onde 4 escolas do ensino fundamental das séries iniciais obtiveram notas acima de 6. Cinco anos atrás, a cidade não possuía nenhuma escola neste patamar.

Outras regiões administrativas também se destacaram almejando este índice, como EC Kanegae (Riacho Fundo ), EC 03 do Núcleo Bandeirante, EC 03 do Paranoá, EC 41 de Taguatinga, EC 01 do Gama, EC 05 do Guará, EC 16 de Ceilândia, EC Colônia Agrícola Vicente Pires, EC Granja do Torto, EC 01 de Sobradinho, EC 02 da Candangolândia, dentre outras.

Com mais investimentos, a educação pública alcançará os índices almejados e a qualidade que a população merece.

Imprimir