Por administrador em 15/abr/2009

Pressão da sociedade leva GDF à negociação



Uma semana depois de decretada a greve, os professores ainda esperam uma proposta do GDF para debater com a categoria em Assembléia Geral. Somente depois de pressionado por um Fórum da sociedade civil, o governador Arruda decidiu abrir negociação com a categoria. A reunião foi marcada para a tarde desta quarta-feira, 15, às 14 horas. A Comissão de Negociação do Sinpro espera que dessa vez, ao contrário do último e frustrante encontro, o governo respeite a categoria e apresente uma proposta concreta.

Houve apenas uma rodada de negociação, acontecida na segunda-feira, 6 de abril, próximo à decretação da greve. Nessa reunião, o governador Arruda confirmou o calote e o desrespeito à lei, pedindo paciência para os professores, alegando que a crise econômica mundial estaria atando as mãos do GDF. Em função da falta de compromisso com os professores e a lei, que determina o reajuste de 15, 31%, a categoria entrou em greve por tempo indeterminado.

A marcação da rodada de negociação para esta quarta-feira só aconteceu devido à pressão da sociedade civil, que criou um fórum para cobrar mais comprometimento do GDF com relação ao movimento grevista. A reunião aconteceu na residência do governador, em Águas Claras. Arruda, representantes da OAB, CUT, CNTE, UnB e parlamentaress debateram a paralisação dos professores.

Durante o encontro, Arruda foi cobrado com relação a uma proposta concreta para os professores, já que até então nenhum índice de reajuste salarial foi apresentado pelo governo para negociação. A CUT, que estimulou e promoveu a reunião, pediu mais seriedade no trato da questão, já que a tendência da greve é continuar sem que haja uma proposta do governo. Só depois, o Sinpro foi informado sobre a rodada de negociação nesta quarta-feira.

Imprimir