Por administrador em 17/jun/2013

Alunos especiais do CIL de Brasília são selecionados para apresentar seus trabalhos em Conferência Internacional no Qatar



A professora Ana Rosa Chaves Marwell de Oliveira e dois alunos, Rebeca Lustosa (21 anos) e Elcanã Maate (21 anos), da Sala de Recursos do Centro Interescolar de Línguas (CIL) de Brasília viajam para Doha, capital do Qatar, no próximo dia 29 de junho para participar da 25ª Conferência Internacional da IEARN (Rede Internacional de Recursos Educacionais). No evento, que terá duração de uma semana, Rebeca e Elcanã irão apresentar dois vídeos feitos por seu grupo, selecionados dentre trabalhos de alunos de 130 países.

Trata-se de um projeto inovador de edição de vídeo em nuvem que, no caso do trabalho dos alunos brasileiros, foi desenvolvido com três alunos de escolas secundárias dos Estados Unidos e quatro do Qatar. O convite para participação dos alunos do CIL neste projeto colaborativo internacional foi feito pela Fundação Qatar (QSI), por meio da associação Educadores Globais, braço da IEARN-International Education and Resources Network (Rede Internacional de Recursos Educacionais) no Brasil.

“A inclusão de Alunos com Necessidades Especiais neste tipo de projeto colaborativo internacional e online é inovadora”, afirma Ana Rosa Chaves Marwell de Oliveira, professora da Sala de Recursos do CIL, destinada a oferecer apoio à educação inclusiva na escola, que coordenou o trabalho dos alunos brasileiros. O grupo brasileiro, além dos dois alunos da escola atendidos na Sala de Recursos, conta com a participação de um aluno com altas habilidades, Rafael Marwell Costa (16 anos), que se interessou pelo assunto do projeto, no caso, a paixão pelo futebol. O primeiro dos vídeos selecionados contou também com a participação do aluno especial Welington Mota (22 anos), que é surdo.

Os alunos se comunicam semanalmente por meio de conferência online. O aluno Elcanã Maate, que também é surdo, participou se comunicando por meio de Libras, com interpretação simultânea da professora Ana Rosa, e o uso de uma webcam. A aluna de inglês e espanhol do CIL, Rebeca Lustosa, foi diagnosticada com déficit cognitivo quando era ainda bebê. Apesar de a medicina ter dito que ela não teria sucesso na escola, Rebeca é capaz de se comunicar com falantes de inglês e espanhol, e tem participação acima da média neste projeto. É dela o script escolhido para contar como os alunos dos três países se relacionam com Futebol.

Para o aluno de altas habilidades, Rafael Marwell Costa, estudante de inglês e alemão, o maior desafio foi trabalhar com a parte técnica de edição de imagens, compartilhada na nuvem pelos três países, com um novo software. Rafael interagiu com alunos e professores do Qatar e Estados Unidos ouvindo, falando e escrevendo em inglês, nos fóruns, chats e vídeo conferências, por dois meses, e sente que seu desempenho no idioma deu um salto.

Segundo a professora Ana Rosa – que trabalha do CIL desde 2007 e está na sala de recursos desde 2010 – a participação nesse projeto foi voluntária, ou seja, os alunos trabalharam para a confecção do vídeo fora do horário normal de aula. “Eles foram muito persistentes, tiveram apenas dois meses para fazer os vídeos (o projeto começou em maio) e dos três que fizeram, dois foram selecionados”, explicou a professora que se diz muito orgulhosa de seus alunos.

A IEARN é uma organização norte-americana sem fins lucrativos que reúne alunos e professores do mundo toda em uma plataforma educacional para desenvolver o ensino-aprendizagem por meio de projetos. Este tipo de trabalho permite aos professores a inclusão das novas tecnologias em sala de aula e, no caso dos Centros de Línguas, oferece aos alunos a oportunidade de interagir com falantes dos idiomas estudados.

Imprimir