Sinpro se reúne com governador eleito e trata de pontos da pauta da categoria

A comissão de negociação do Sinpro foi recebida durante a tarde dessa segunda-feira (5) pelo governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, e apresentou alguns pontos urgentes e preocupantes para os(as) professores(as) e orientadores(as) educacionais. Além de abordarem diversos temas, os diretores discutiram melhorias urgentes para o ensino público e gratuito do Distrito Federal à luz do Plano Distrital de Educação (PDE).
Confira alguns pontos abordados durante a reunião:
Escola sem Partido – O Sinpro pediu para que o governador eleito se posicionasse em relação ao projeto Escola sem Partido. Ibaneis disse que não é favorável, que não vê necessidade de se estabelecer este projeto, e que qualquer ponto que possa comprometer direitos e a liberdade de expressão, será contrário. Ele ainda salientou que com relação à conduta dos(as) servidores(as) públicos(as) já existem leis e medidas administrativas direcionadas a cada um(a), portanto, já existem mecanismos para tratar disso e que não vê lógica na Lei da Mordaça.
Reforma da Previdência – O governador eleito foi categórico ao afirmar que é contrário a essa proposta de reforma apresentada pelo atual presidente.
IPREV – Disse que é preciso ter uma política que garanta recursos para pagar as aposentadorias.
Pagamento da 6ª parcela – Ibaneis Rocha disse que ainda precisa de mais informações para dizer quando será efetuado o pagamento, inclusive averiguar como vai fechar a previsão orçamentária para 2019. A preocupação, segundo o governador eleito, é devido ao fato do magistério público não ser a única categoria a ser paga pelo GDF.
Mesmo diante das preocupações, Ibaneis reafirmou o compromisso de pagar a parcela e de colocar a Educação, a Saúde e a Segurança Pública como prioridade.
Recomposição salarial – Ibaneis deixou certo de que a dinâmica utilizada para debater a pauta da categoria será mantida, com o diálogo entre uma comissão de negociação permanente e o governo.
Pecúnia – O governador eleito afirmou que não haverá mudança naquilo que está sendo feito com relação ao pagamento da pecúnia dos professores e orientadores aposentados, e ainda disse que a intenção é melhorar. Como não tinha como dizer o que seria modificado por conta dos números, afirmou que não haverá interrupção daquilo que tem sido feito.
Novas nomeações – O Sinpro apresentou a necessidade de nomeações de professores e orientadores, tendo em vista principalmente que o concurso de orientadores vence em maio de 2019. Ibaneis disse que ainda precisa de mais informações quanto à real necessidade de nomeações, qual a carência que a rede pública tem, mas mostrou ser simpático ao projeto aprovado na CLDF, de se estender a validade do concurso.
Foto: Deva Garcia

Skip to content