Professores aderem à paralisação e suspendem aulas na sexta-feira (28)

A diretoria colegiada do Sinpro-DF comunica que os/as professores/as e orientadores/as educacionais da rede pública do Distrito Federal irão paralisar suas atividades pedagógicas nesta sexta-feira (28). A categoria aderiu à greve geral nacional. A participação foi definida na Assembleia Geral do dia 12 de abril.
A greve geral é contra as reformas previdenciária e trabalhista que o Congresso Nacional está apreciando. A convocação nacional da greve conta com a confirmação de dezenas de categorias de todas as unidades da Federação e, no Distrito Federal, os/as professores/as e orientadores/as educacionais da rede pública se somam às demais categorias para fortalecer o movimento nacional.
A Central Única dos Trabalhadores (CUT) e demais centrais sindicais promoverão um dia de luta. Dia em que o povo brasileiro é chamado a cruzar os braços para parar todo tipo de produção econômica do país. A greve somente terá o efeito de barrar a destruição da nossa legislação trabalhista e previdenciária se todos/as os/as brasileiros/as mostrarem aos políticos e ao empresariado que a classe trabalhadora é a força de trabalho do país e que sem ela não há produção. Sem direitos assegurados, não há força de trabalho.
A ideia, portanto, é parar a produção, a circulação de mercadorias e a prestação de serviços como forma de protesto a essas reformas que eliminam de forma perversa, nefasta e desumana o conjunto de direitos da classe trabalhadora. Nós, professores/as e orientadores/as do Distrito Federal, como não haveria de ser diferente, estaremos unidos com as demais categorias e trabalhadores/as nesta sexta para demonstrar nossa insatisfação com as reformas em discussão no Congresso Nacional.
Orientações
Os/as professores/as e orientadores/as educacionais não devem consumir nenhum produto na rede comercial do Distrito Federal e Entorno; não enviar filhos/as às escolas; e suspender todas as atitudes que ensejam consumo.
 

Skip to content