Por direitos, servidores do Detran-DF mantêm unidade e organizam paralisação com indicativo de greve

Mesmo com a paralisação de 48 horas do funcionalismo lotado no Detran-DF, mais uma vez, o GDF se manteve intransigente e insiste em não atender as reivindicações da categoria.  Iniciada nesta quarta-feira (5), o movimento paredista teve 100% de adesão e serviu para mobilizar e unir ainda mais os servidores.
Após assembleia realizada na manhã desta quinta-feira (6), os trabalhadores deliberaram por novamente cruzar os braços. Eles pararão todas as atividades por 48 horas a partir do dia 27 e, dando seguimento às pautas nacionais, se juntarão a grande Greve Geral do dia 28. Após o desenrolar dessas atividades, está prevista uma nova assembleia com indicativo de greve.
Além de não acatar as reivindicações dos servidores, o governo se recusa em manter o diálogo. Ao contrário das falácias divulgadas na imprensa golpista, os representantes do GDF receberam a direção do Sindetran, Sindicato que representa a categoria no Distrito Federal, apenas uma vez. “A falta de diálogo dificulta ainda mais a resolução de um problema antigo, que já dura dois anos. Isto é um descaso e demonstra o desrespeito para com a categoria. Exigimos que atendam o quanto antes nossas reivindicações, ou não pensaremos duas vezes para iniciar uma greve”, afirma o presidente do Sindetran-DF, Fábio Medeiros.
Os servidores do Detran cobram que o acordo firmado seja cumprido. Entre as reivindicações está o GTIT sobre o vencimento, adequação de nomenclatura e atribuições, equiparação do tíquete, jornada de 30h, nível superior dos técnicos, perdas da inflação de 2014 a 2016, condições de trabalho e sede própria do Detran para por fim aos aluguéis.
“Pedimos o apoio e compreensão de todos, pois somente com unidade de luta poderemos conquistar avanços”, conclama Fábio Medeiros.
A Paralisação do funcionalismo termina às 7h desta sexta-feira (7).

Skip to content